Mercado fechado
  • BOVESPA

    113.282,67
    -781,33 (-0,68%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.105,71
    -358,59 (-0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    75,18
    +1,20 (+1,62%)
     
  • OURO

    1.758,10
    +6,40 (+0,37%)
     
  • BTC-USD

    44.092,04
    +1.649,00 (+3,89%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.098,61
    -4,45 (-0,40%)
     
  • S&P500

    4.455,48
    +6,50 (+0,15%)
     
  • DOW JONES

    34.798,00
    +33,20 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.051,48
    -26,87 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    24.131,42
    -60,74 (-0,25%)
     
  • NIKKEI

    30.265,76
    +16,95 (+0,06%)
     
  • NASDAQ

    15.375,75
    +57,00 (+0,37%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2580
    +0,0024 (+0,04%)
     

Lira nega Bolsa Família de R$ 400 e furo do teto de gastos

·3 minuto de leitura
***ARQUIVO***BRASÍLIA, DF, 25.06.2021 - O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL). (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
***ARQUIVO***BRASÍLIA, DF, 25.06.2021 - O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL). (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), negou nesta terça-feira (3) qualquer conversa para estabelecer um valor de R$ 400 para o Bolsa Família, para incluir o programa social dentro de uma PEC (Proposta de Emenda à Constituição) ou para furar o teto de gastos.

Lira falou a jornalistas antes de abrir formalmente a primeira sessão da Câmara após o recesso parlamentar. Ele falou sobre a reunião realizada na segunda-feira (2) na residência oficial do Senado com o presidente Rodrigo Pacheco (DEM-MG) e os ministros Paulo Guedes (Economia), Ciro Nogueira (Casa Civil), Flávia Arruda (Secretaria de Governo) e João Roma (Cidadania).

Lira negou que a PEC que o governo pretende apresentar e que vai adiar o pagamento de dívidas reconhecidas pela Justiça -chamadas de precatórios- tenha como objetivo abrir espaço para criar um Bolsa Família de R$ 400.

"Isso em nenhum momento foi falado na reunião. E eu queria aqui reafirmar que não há a possibilidade de se estourar teto de gastos no Brasil a depender da vontade do Legislativo", afirmou.

Segundo ele, o novo Bolsa Família virá por uma medida provisória própria, dentro do Orçamento e do teto de gastos, com valor médio e planejado em torno de R$ 300. "Isso é o que vem sendo comentado."

"De uma vez por todas, que nós tenhamos calma nesses momentos em que muitas vezes a polarização e as discussões entre Poderes afloram de maneira mais efusiva, e aqui no Legislativo nós teremos tranquilidade, como sempre tivemos, para manter as coisas como sempre foram", afirmou. "Não houve essa conversa de R$ 400, não há essa conversa de Bolsa Família dentro de PEC, não há essa conversa de furar teto de gastos."

Mais cedo, o presidente Jair Bolsonaro disse que o governo pode sugerir até dobrar o valor médio pago a beneficiários do Bolsa Família.

"No momento, vivemos ainda auxílio emergencial mais baixo, mas estamos aqui ultimando esforços e estudos no sentido de dar aumento de, no mínimo, 50% para o Bolsa Família, podendo chegar até 100% em média", afirmou o presidente em entrevista à TV Asa Branca, de Pernambuco.

Hoje o valor médio distribuído a 14 milhões de beneficiários é R$ 192. O presidente não citou a qual cifra pretende chegar.

Lira negou ainda qualquer possibilidade de calote nos precatórios. "É impossível se pagar R$ 90 bilhões sem que haja nenhum tipo de atingimento ao teto", afirmou.

"Nós não queremos romper o teto e o Brasil não pode dar calote. Então, a ideia da PEC de ajustar esses pagamentos, preservando os pagamentos alimentícios e até um determinado valor, e fazer um parcelamento do restante do débito é o mesmo critério que foi aprovado e está na Constituição para estados e municípios", afirmou.

O deputado defendeu que se considere a média de precatórios paga nos últimos cinco anos. "E a gente saiu de R$ 13 milhões há cinco anos para R$ 90 bilhões no ano que vem, então isso não é média, isso praticamente engessa e faz um estrago no Orçamento e nas contas públicas do governo."

O discurso se alinha ao de Guedes, que defendeu que o governo não tem capacidade para o pagamento de todos os precatórios programados para 2022 e por isso está propondo o parcelamento dos valores. "Devo, não nego; pagarei assim que puder", afirmou.

Segundo ele, a medida em discussão com o Congresso não vai levar à falta de pagamento dos precatórios -dívidas do Estado reconhecidas pela Justiça. "Não haverá calote", afirmou, em evento virtual promovido pelo site Poder 360.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos