Mercado abrirá em 4 h 43 min
  • BOVESPA

    110.672,76
    -3.755,42 (-3,28%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.402,73
    -283,30 (-0,54%)
     
  • PETROLEO CRU

    82,33
    -0,63 (-0,76%)
     
  • OURO

    1.776,80
    +6,30 (+0,36%)
     
  • BTC-USD

    63.903,46
    +1.710,88 (+2,75%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.479,59
    +16,24 (+1,11%)
     
  • S&P500

    4.519,63
    +33,17 (+0,74%)
     
  • DOW JONES

    35.457,31
    +198,70 (+0,56%)
     
  • FTSE

    7.209,29
    -8,24 (-0,11%)
     
  • HANG SENG

    26.051,49
    +264,28 (+1,02%)
     
  • NIKKEI

    29.255,55
    +40,03 (+0,14%)
     
  • NASDAQ

    15.372,25
    -26,25 (-0,17%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5114
    +0,0152 (+0,23%)
     

Lira e Pacheco se reunirão com Guedes nesta 3ª para discutir precatórios

·3 minuto de leitura
Presidentes da Câmara, Arthur Lira, e do Senado, Rodrigo Pacheco, durante entrevista coletiva em Brasília

SÃO PAULO (Reuters) - Os presidentes da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), e do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), terão uma reunião na manhã desta terça-feira com o ministro da Economia, Paulo Guedes, para discutir o pagamento de precatórios, disseram ambos após reunião na noite de segunda sobre o tema com o líder do governo no Senado, Fernando Bezerra (MDB-PE).

Tanto Lira quanto Pacheco afirmaram que a busca por uma solução para o pagamento dos precatórios ocorrerá por meio da votação de uma proposta de emenda à Constituição (PEC) e terá de levar em conta, além do pagamento desses títulos determinados por decisão judicial, o respeito ao teto de gastos e um fortalecimento do programa social de transferência de renda, seja o Bolsa Família ou um novo a ser criado pelo governo do presidente Jair Bolsonaro.

"Não finalizamos ainda o entendimento completo sobre o assunto. Faremos outra reunião amanhã (nesta terça), mas no intuito de manter a expectativa de respeito ao teto de gastos", disse Lira a jornalistas após o encontro na noite de segunda na residência oficial da Câmara. "Não há outro caminho que não seja nesse momento a votação de uma PEC na Câmara e essa mesma PEC no Senado", acrescentou.

Pacheco, por sua vez, enfatizou a importância de o governo participar das tratativas e Bezerra disse que Guedes participará da reunião às 10h desta terça, dessa vez na residência oficial do Senado.

A participação de Guedes foi confirmada pela assessoria de imprensa do Ministério da Economia nesta manhã, após inicialmente não constar da agenda do ministro.

"Não é uma equação fácil. É uma equação complexa e nós temos que exaurir todas as alternativas. Tem alternativas colocadas e é muito importante ter a participação do Poder Executivo", disse Pacheco.

"Considero que amanhã, nesse desdobramento dessa segunda etapa desse nosso encontro com o presidente Arthur e o líder do governo no Senado, Fernando Bezerra, nós possamos contar eventualmente com a presença do ministro Paulo Guedes e ajustarmos entre Executivo e Legislativo um caminho a ser submetido aos líderes da Câmara e aos líderes do Senado para ver também se tem aceitação por parte dos líderes."

O presidente do Senado também reafirmou a expectativa de que se chegue a uma alternativa nesta semana para solucionar o pagamento dos precatórios.

"Acredito muito que nesta semana nós possamos resolver essa questão dos precatórios, dentro dessa perspectiva de respeito ao teto de gastos públicos e dando também solução para um programa social que atinja o maior número de pessoas", disse.

A PEC sobre os precatórios enviada pelo governo ao Congresso, permitindo que essas dívidas judiciais possam ser parceladas, já teve sua admissibilidade aprovada pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara, e agora deve começar a ter seu mérito debatido em uma comissão especial.

A proposta divide em dez parcelas o pagamento dos precatórios de mais de 66 milhões de reais e impõe uma limitação provisória dos pagamentos anuais de precatórios a 2,6% da receita corrente líquida, o que também sujeitará precatórios entre 66 mil reais e 66 milhões de reais a eventual parcelamento. Pelo texto, os precatórios de até 66 mil reais serão integralmente quitados.

(Reportagem de Eduardo Simões)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos