Mercado abrirá em 3 mins
  • BOVESPA

    119.564,44
    +1.852,44 (+1,57%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.399,80
    +71,60 (+0,15%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,36
    -0,27 (-0,41%)
     
  • OURO

    1.794,40
    +10,10 (+0,57%)
     
  • BTC-USD

    57.622,97
    +2.024,38 (+3,64%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.481,19
    +75,88 (+5,40%)
     
  • S&P500

    4.167,59
    +2,93 (+0,07%)
     
  • DOW JONES

    34.230,34
    +97,34 (+0,29%)
     
  • FTSE

    7.050,12
    +10,82 (+0,15%)
     
  • HANG SENG

    28.637,46
    +219,46 (+0,77%)
     
  • NIKKEI

    29.331,37
    +518,77 (+1,80%)
     
  • NASDAQ

    13.483,25
    -7,75 (-0,06%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4385
    +0,0116 (+0,18%)
     

Lira diz que receberá relatório de reforma tributária na segunda-feira

Maria Carolina Marcello
·1 minuto de leitura
Presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira, em Brasília

Por Maria Carolina Marcello

BRASÍLIA (Reuters) - O presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), afirmou nesta sexta-feira que receberá o relatório final da reforma tributária na próxima segunda-feira e reiterou que a aprovação da matéria é uma prioridade da pauta da Casa.

Lira, que tem tratado o tema como prioridade e anunciou que se envolveria pessoalmente na negociação, reuniu-se com o ministro da Economia, Paulo Guedes, nesta semana, ocasião em que defendeu que a proposta seja votada em etapas para facilitar sua aprovação.

"A reforma tributária é prioridade da pauta. Na segunda, receberei o relatório final. E a busca da maior facilidade na tramitação do tema será um item crucial do encaminhamento dessa questão", disse o presidente na Câmara no Twitter.

O relatório a ser apresentado foi construído no âmbito de uma comissão especial, formada por deputados e senadores, que não tem o poder de dar andamento à tramitação do tema.

A reforma terá um trajeto a percorrer na Câmara antes de ser encaminhada ao Senado.

O Congresso assumiu o compromisso e votar as reformas administrativa e tributária neste ano, assim como outras medidas que ajudem a economia a se recuperar dos impactos da pandemia de Covid-19.

A tramitação das duas matérias --naturalmente espinhosas por tratarem de interesses dos entes federados, no caso da tributária, e do funcionalismo público, da administrativa-- pode, no entanto, enfrentar dificuldades diante da pandemia e do calendário eleitoral do ano que vem.

Outro fator que pode pesar o clima político e contaminar as discussões diz respeito à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid em funcionamento no Senado.