Mercado fechado
  • BOVESPA

    105.069,69
    +603,69 (+0,58%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.597,29
    -330,11 (-0,65%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,22
    -0,28 (-0,42%)
     
  • OURO

    1.782,10
    +21,40 (+1,22%)
     
  • BTC-USD

    48.997,68
    -258,01 (-0,52%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.367,14
    -74,62 (-5,18%)
     
  • S&P500

    4.538,43
    -38,67 (-0,84%)
     
  • DOW JONES

    34.580,08
    -59,72 (-0,17%)
     
  • FTSE

    7.122,32
    -6,89 (-0,10%)
     
  • HANG SENG

    23.766,69
    -22,21 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    28.029,57
    +276,17 (+1,00%)
     
  • NASDAQ

    15.687,50
    -301,00 (-1,88%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3953
    +0,0151 (+0,24%)
     

Lira anuncia volta presencial à Câmara e pedirá carteira de vacinação

·2 min de leitura
Plenário da Câmara dos Deputados

Por Eduardo Simões

(Reuters) - O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), disse em sua conta no Twitter nesta terça-feira que a Casa retomará os trabalhos presenciais na próxima segunda-feira e entre as medidas sanitárias contra a Covid-19 estará a apresentação da carteira de vacinação contra a doença.

"A Mesa Diretora da Câmara dos Deputados decidiu há pouco que os trabalhos presenciais serão retomados a partir da 2ª-feira, 25. Serão tomadas todas as medidas administrativas e sanitárias no retorno das atividades, entre elas, a apresentação da carteira de vacinação", escreveu Lira na rede social.

O presidente Jair Bolsonaro, aliado de Lira, tem constantemente questionado, sem qualquer embasamento, a eficácia das vacinas contra Covid-19, embora todos os imunizantes aplicados no Brasil tenham passado por testes clínicos e recebido o aval da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Ele também tem criticado com frequência medidas adotadas por Estados e municípios como a exigência de comprovação de vacinação para entrada em estabelecimentos e eventos, o chamado passaporte sanitário.

Bolsonaro, que afirma até agora não ter se vacinado contra a Covid-19, embora ele já pudesse tê-lo feito há tempos por conta de sua idade, está com 66 anos, já chegou a dizer que seria o último a se vacinar no Brasil, depois afirmou que não tomaria um imunizante e mais recentemente disse ainda não ter se decidido.

Ao contrário do presidente, vários ministros de seu governo tomaram a vacina, inclusive alguns dos mais próximos a Bolsonaro, como o chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), Augusto Heleno, e os titulares da Economia, Paulo Guedes, e da Secretaria-Geral da Presidência, Luiz Eduardo Ramos.

O senador Flávio Bolsonaro (Patriota-RJ) e o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filhos do presidente, também se vacinaram contra a Covid.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos