Mercado fechado
  • BOVESPA

    105.069,69
    +603,45 (+0,58%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.597,29
    -330,09 (-0,65%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,22
    -0,28 (-0,42%)
     
  • OURO

    1.782,10
    +21,40 (+1,22%)
     
  • BTC-USD

    49.386,37
    +2.005,83 (+4,23%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.367,14
    -74,62 (-5,18%)
     
  • S&P500

    4.538,43
    -38,67 (-0,84%)
     
  • DOW JONES

    34.580,08
    -59,71 (-0,17%)
     
  • FTSE

    7.122,32
    -6,89 (-0,10%)
     
  • HANG SENG

    23.766,69
    -22,24 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    28.029,57
    +276,20 (+1,00%)
     
  • NASDAQ

    15.687,50
    -301,00 (-1,88%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3953
    +0,0151 (+0,24%)
     

LinkedIn quer ajudar freelancers a conseguirem novos trabalhos

·2 min de leitura

O LinkedIn apresentou um recurso para ajudar a conectar freelancers a empresas que precisam de profissionais para executar serviços específicos. Chamado Service Marketplace, a ideia é criar uma espécie de classificados para possibilitar que pessoas se candidatem a oportunidades de trabalho curtas ou pontuais anunciadas pelos contratantes.

Para iniciar bombando, a rede social promete integração com sites especializados na prática, como o Upwork e o Fiverr. Ambos os serviços oferecem praticamente a mesma coisa, mas o Fiveer é mais voltado para os freelancers (já que as pessoas oferecem seus serviços), enquanto o Upwork é focado nas empresas (elas publicam anúncios e as pessoas apresentam orçamentos).

A plataforma social deve ajudar a equilibrar as coisas, embora tenha uma tendência maior a adotar o modelo do Upwork. Após cada trabalho realizado, as empresas poderão avaliar o desempenho do freela — mas ele não poderá avaliar o contratante —, e isso pode ajudá-lo a ter uma boa reputação para conseguir mais oportunidades.

Os testes para essa intermediação começaram há quase um ano, inicialmente no mercado dos Estados Unidos, e contou com a participação de cerca de dois milhões de usuários. Agora, com tudo ajustado, o site deve liberar a ferramenta para os seus 800 milhões de usuários em todo o planeta, número bem superior aos 23 milhões do Upword e 2,5 milhões do Fiverr.

Se essa opção estiver liberada, você poderá oferecer seus serviços no LinkedIn (Imagem: Captura de tela/Canaltech)
Se essa opção estiver liberada, você poderá oferecer seus serviços no LinkedIn (Imagem: Captura de tela/Canaltech)

Quem se interessar, deve checar se o recurso já foi disponibilizado para o seu perfil, porque essa distribuição deve ser gradual: basta procurar o botão próximo ao topo e logo abaixo das seções de fotos e da biografia. O usuário poderá definir quais suas habilidades no perfil, em quais tipos de projetos desejam atuar e, a partir disso, se candidatar a ofertas disponibilizadas.

O Service Marketplace é gratuito e já conta com cerca de 250 categorias de trabalho, número que deve crescer para ao menos 500 nos próximos meses. .

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos