Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.800,79
    -3.874,54 (-3,08%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.868,32
    -766,28 (-1,48%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,81
    +0,19 (+0,26%)
     
  • OURO

    1.812,50
    -18,70 (-1,02%)
     
  • BTC-USD

    41.772,58
    +109,34 (+0,26%)
     
  • CMC Crypto 200

    955,03
    +5,13 (+0,54%)
     
  • S&P500

    4.395,26
    -23,89 (-0,54%)
     
  • DOW JONES

    34.935,47
    -149,06 (-0,42%)
     
  • FTSE

    7.032,30
    -46,12 (-0,65%)
     
  • HANG SENG

    25.961,03
    -354,29 (-1,35%)
     
  • NIKKEI

    27.283,59
    -498,83 (-1,80%)
     
  • NASDAQ

    14.966,50
    -71,25 (-0,47%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1880
    +0,1475 (+2,44%)
     

LinkedIn adere ao Código de Conduta da União Europeia contra discurso de ódio

·2 minuto de leitura

O combate ao discurso de ódio chegou ao LinkedIn na União Europeia (UE). Para isso, a empresa aderiu ao Código de Conduta da UE. Didier Reynders, comissário de Justiça do bloco, diz que a mensagem “é e continuará a ser importante para a luta contra o discurso de ódio”. “Convido outras empresas a participarem para ajudar a libertar o mundo online do ódio.”

Apesar de só agora ser oficialmente um associado, o LinkedIn diz que já seguia as diretrizes, uma vez que a Microsoft, dona da plataforma, já era signatária das regras. “O LinkedIn tem a responsabilidade de criar experiências seguras para seus usuários. Discurso de ódio não é tolerado em nossa plataforma”, diz documento oficial da empresa.

Na UE, a classificação de discurso de ódio inclui conteúdo racista ou xenofóbico, bem como que incite a violência ou o ódio contra grupos em razão de raça, cor da pele, religião ou origem étnica, entre outros. O código é suplementar a legislações específicas dos países do bloco e não vinculativo juridicamente.

Imagem: Reprodução/Elements/rawf8
Imagem: Reprodução/Elements/rawf8

Essa iniciativa começou em 2016 quando Facebook, Twitter, YouTube e Microsoft se uniram para combater o discurso de ódio. Desde então, outras empresas de tecnologia aderiram ao projeto (como o TikTok, que se associou em outubro de 2020), mas muitos serviços ainda não participam — especialmente as plataformas de mensagem.

No ano passado, a Comissão Europeia propôs atualizações às regras de comércio eletrônico em áreas como conteúdo e produtos ilegais. Nos próximos anos, a UE deve ter um enquadramento legal para o tema, não apenas um código com adesão voluntária.

A pandemia de COVID-19 contribuiu para fazer os legisladores se concentrarem no tema da regulação da esfera digital. Com isso, muitos esforços da UE acabaram por ser acelerados.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos