Mercado abrirá em 4 h 3 min
  • BOVESPA

    129.441,03
    -634,97 (-0,49%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.286,46
    +400,16 (+0,79%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,65
    +0,74 (+1,04%)
     
  • OURO

    1.858,90
    -20,70 (-1,10%)
     
  • BTC-USD

    39.634,36
    +4.055,48 (+11,40%)
     
  • CMC Crypto 200

    985,80
    +43,99 (+4,67%)
     
  • S&P500

    4.247,44
    +8,26 (+0,19%)
     
  • DOW JONES

    34.479,60
    +13,40 (+0,04%)
     
  • FTSE

    7.158,75
    +24,69 (+0,35%)
     
  • HANG SENG

    28.842,13
    +103,23 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    29.161,80
    +213,07 (+0,74%)
     
  • NASDAQ

    14.024,75
    +30,50 (+0,22%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1908
    -0,0018 (-0,03%)
     

Liminar em MG obriga CSN a tomar medidas contra rompimento de barragem

·2 minuto de leitura

SÃO PAULO (Reuters) - O governo de Minas Gerais informou ter obtido na quinta-feira uma decisão liminar obrigando a CSN a adotar medidas de segurança para evitar o rompimento da Barragem da Mina de Fernandinho, na cidade de Rio Acima.

Com a decisão, a CSN terá que intervir na barragem de cerca de 33 metros de altura, com aterro estimado em 413.675 metros cúbicos, sob pena de multa diária de 1 milhão de reais. Os moradores já foram retirados da área de risco.

Segundo publicação da administração de Minas Gerais em seu site, a barragem está em nível 2 de emergência, e teve o Plano de Ação Emergencial de Barragens de Mineração acionado devido ao não atendimento de fatores de segurança.

A ação foi ajuizada pelo governo local após a Fundação Estadual do Meio Ambiente (Feam) receber aviso da Agência Nacional de Mineração (ANM) de aumento do risco de rompimento da estrutura, que é alteada por método a montante.

A estrutura fica a menos de 9 quilômetros do Rio das Velhas e uma ruptura pode causar danos a diversos municípios, com risco até de interromper a captação de água pela Companhia de Saneamento de Minas Gerais (Copasa) em Bela Fama, afirmou o governo.

A juíza responsável pela decisão exigiu que a CSN apresente proposta de custeio e cronograma de ações para garantir o atendimento à demanda por água na Região Metropolitana de Belo Horizonte, além de um plano de contingência para abastecimento emergencial na hipótese de paralisação do Sistema Rio das Velhas.

A juíza determinou ainda que a empresa amplie a segurança da estrutura e apresente planos para estancamento e remoção dos rejeitos em caso de eventual rompimento, para controle contra proliferação de doenças transmissíveis e para remediação de danos ambientais e econômicos causados pelo eventual rompimento da estrutura.

Em nota, a CSN afirmou que a obra de estabilização e descomissionamento da barragem está temporariamente suspensa para tratativas com a Agência Nacional de Mineração (ANM).

"A (barragem) encontra-se em projeto estabilização e hoje já está com reduzido nível de água subterrâneo, sem presença de água superficial", diz trecho do comunicado, que afirma ainda que a empresa hoje não possui nenhuma barragem de rejeitos em operação.

A CSN disse que a obra deverá estar concluída em março de 2022, que diariamente são feitas inspeções e que sua estrutura "não apresenta risco de rompimento".

Às 10:44, a ação da CSN na bolsa paulista tinha queda de 1,3%, enquanto o Ibovespa cedia 0,05%.

(Por Aluisio Alves)