Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.061,99
    -871,79 (-0,72%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.573,38
    +44,41 (+0,09%)
     
  • PETROLEO CRU

    62,35
    -0,32 (-0,51%)
     
  • OURO

    1.791,40
    +13,00 (+0,73%)
     
  • BTC-USD

    56.279,58
    -122,05 (-0,22%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.294,53
    +31,57 (+2,50%)
     
  • S&P500

    4.153,02
    +18,08 (+0,44%)
     
  • DOW JONES

    34.032,21
    +210,91 (+0,62%)
     
  • FTSE

    6.908,51
    +48,64 (+0,71%)
     
  • HANG SENG

    28.621,92
    -513,81 (-1,76%)
     
  • NIKKEI

    28.508,55
    -591,83 (-2,03%)
     
  • NASDAQ

    13.779,00
    -15,25 (-0,11%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6919
    -0,0106 (-0,16%)
     

Light prepara emissão de R$850 milhões em debêntures

·1 minuto de leitura

SÃO PAULO (Reuters) - A Light Serviços de Eletricidade, unidade da elétrica Light, tem preparado uma oferta de debêntures para captar 850 milhões de reais.

A companhia apresentou requerimento à Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiros e de Capitais (Anbima) para análise prévia de registro da oferta das debêntures, que seriam emitidas em série única com vencimento em 10 anos, segundo documentos divulgados na noite de terça-feira.

A Light prevê iniciar nesta quarta-feira apresentações a potenciais investidores, enquanto o início efetivo da oferta é estimado para 12 de maio.

Os recursos captados serão utilizados pela unidade de distribuição de energia da Light para implementação e desenvolvimento de um projeto de investimento para expansão, renovação ou melhoria da infraestrutura de distribuição.

Segundo a empresa, esse projeto envolve aportes totais de 2 bilhões de reais e deverá estar concluído até o final de 2021. A captação com as debêntures deve representar 40,5% dos recursos previstos para o empreendimento, segundo prospecto preliminar divulgado nesta quarta-feira.

Os coordenadores da emissão são Santander, BTG Pactual, Itaú BBA e UBS BB.

(Por Luciano Costa)