Mercado fechará em 24 mins
  • BOVESPA

    106.567,82
    +204,72 (+0,19%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.569,04
    -145,56 (-0,28%)
     
  • PETROLEO CRU

    82,76
    +0,10 (+0,12%)
     
  • OURO

    1.802,50
    +3,70 (+0,21%)
     
  • BTC-USD

    60.921,96
    +1.973,78 (+3,35%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.475,52
    +56,14 (+3,96%)
     
  • S&P500

    4.591,95
    +40,27 (+0,88%)
     
  • DOW JONES

    35.664,55
    +173,86 (+0,49%)
     
  • FTSE

    7.249,47
    -3,80 (-0,05%)
     
  • HANG SENG

    25.555,73
    -73,01 (-0,28%)
     
  • NIKKEI

    28.820,09
    -278,15 (-0,96%)
     
  • NASDAQ

    15.749,50
    +162,25 (+1,04%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5439
    +0,1192 (+1,86%)
     

Light é condenada a pagar R$ 50 mil à viúva de homem morto com descarga elétrica

·2 minuto de leitura
A Light afirma que uma construção na casa se aproximou dos fios existentes Foto: Representação da internet.
Foto: Representação da internet.
  • A Light foi condenada a pagar R$ 50 mil como indenização pela morte de um homem;

  • A viúva da vítima recorreu do valor original, de R$ 10 mil, e pediu aumento da indenização para R$ 300 mil;

  • A empresa afirma que a construção de um terceiro pavimento da casa do casal aproximou o imóvel de fios que já existiam.

A 22ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro condenou a Light, empresa de energia elétrica, a pagar R$ 50 mil como indenização por danos morais à viúva de um homem que morreu em consequência de uma descarga elétrica.

O caso aconteceu em novembro de 2012, enquanto o homem tentava pegar um vergalhão na laje de casa. Com o intuito de desentupir sua rede de esgoto, acabou por encostar em um fio de descarga elétrico. Cinco anos depois, o homem faleceu aos 48 anos, uma das causas sendo a sequela neurológica advinda da alta voltagem.

Leia também:

O juízo havia condenado a empresa a pagar R$ 10 mil à viúva em primeira instância. A mulher recorreu com o pedido de aumento da indenização para R$ 300 mil.

Contudo, a Light afirma que a rede elétrica na região atende às normas da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). Segundo a empresa, a construção de um terceiro pavimento da casa do casal aproximou o imóvel de fios que já existiam. Para a companhia, o homem também teve atitude imprudente.

De acordo com Benedicto Abicair, relator do caso no TJ-RJ, o laudo pericial aponta que os fios instalados no local não seguiam regras da ABNT, já que não foram devidamente isolados entre si.

A Light não comprovou que o acidente aconteceu por culpa exclusiva da vítima, e o relator votou pelo aumento da indenização para R$ 50 mil. Os demais integrantes da 22ª Câmara Cível seguiram o voto.

As informações são do ConJur.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos