Mercado fechado

Líderes: O que precisa mudar no ensino à distância? Executivos de Laureate Brasil e Alura explicam

Redação Finanças
·2 minutos de leitura

O ensino à distância foi de opção à alternativa para manter alunos de todas as faixas etárias estudando durante a pandemia do novo coronavírus. A modalidade, entretanto, ainda precisa de melhorias.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Siga o Yahoo Finanças no Google News

Neste episódio de Líderes, conversamos com Sara Pedrini, VP acadêmica da Laureate Brasil - grupo que comanda Anhembi Morumbi, FMU e outras universidades -, e Paulo Silveira, CEO da Caelum Alura, para entender quais os pontos que precisam de mais atenção.

PODCAST LÍDERES: OUÇA A CONVERSA COMPLETA AGORA!

Para o CEO da Alura, uma das principais escolas de cursos de tecnologia online, é necessário ainda tentar recriar a experiência social que uma sala de aula proporciona. Até agora, ninguém ainda sabe a resposta para este problema.

Episódios anteriores

A vice-presidente acadêmica da Laureate acredita que, assim que as regulamentações permitirem, os alunos terão flexibilidade de escolher quais aulas querem fazer de forma presencial ou remota.

Quem é Sara Pedrini

Sara Pedrini, vice-presidente acadêmica da Laureate Brasil (Foto: Divulgação)
Sara Pedrini, vice-presidente acadêmica da Laureate Brasil (Foto: Divulgação)

Formada em direito pela Universidade de Caxias do Sul, Sara se especializou em administração escolar. Está em uma instituição do grupo Laureate há mais de 13 anos.

Quem é Paulo Silveira

Paulo Silveira, CEO do grupo Caelum Alura (Foto: Divulgação)
Paulo Silveira, CEO do grupo Caelum Alura (Foto: Divulgação)

Formado em ciência da computação pela Universidade De São Paulo, atuou no início da carreira como desenvolvedor de softwares. Teve sua primeira experiência como educador de tecnologia na Sun Microsystems, onde ficou entre 2002 e 2004. Foi neste ano que fundou a Caelum, onde ocupa o cargo de diretor-executivo desde então.

Assine agora a newsletter Yahoo em 3 Minutos

Siga o Yahoo Finanças no Instagram, Facebook, Twitter e YouTube