Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.183,95
    -355,84 (-0,32%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.377,47
    +695,28 (+1,52%)
     
  • PETROLEO CRU

    60,73
    -0,55 (-0,90%)
     
  • OURO

    1.707,30
    -8,50 (-0,50%)
     
  • BTC-USD

    50.203,99
    +2.099,77 (+4,37%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.014,06
    +25,96 (+2,63%)
     
  • S&P500

    3.819,72
    -50,57 (-1,31%)
     
  • DOW JONES

    31.270,09
    -121,43 (-0,39%)
     
  • FTSE

    6.675,47
    +61,72 (+0,93%)
     
  • HANG SENG

    29.880,42
    +784,56 (+2,70%)
     
  • NIKKEI

    29.559,10
    0,00 (0,00%)
     
  • NASDAQ

    12.597,25
    -84,50 (-0,67%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7747
    -0,0040 (-0,06%)
     

MPF denuncia líder da Máfia da Merenda em SP por fraude a licitações

Redação Notícias
·2 minuto de leitura
Arquivo/Agência Brasil
Cássio Izique Chebabi poderá ser condenado à pena de 2 a 4 anos de prisão, além do pagamento de multa, segundo prevê o artigo 90 da Lei 8.666/1993 (Foto: Arquivo/Agência Brasil)

O Ministério Público Federal (MPF) denunciou por fraude a licitações o ex-presidente da Cooperativa Orgânica Agrícola Familiar (Coaf) Cássio Izique Chebabi, um dos pivôs da chamada Máfia da Merenda em São Paulo. Chebabi é acusado de burlar editais para o fornecimento de produtos destinados à alimentação escolar entre 2013 e 2014 em Bebedouro, no interior do estado, onde a Coaf está sediada.

De acordo como MPF, declarações de ex-funcionários da Coaf comprovaram que Chebabi era o principal responsável pelo esquema na entidade. O ex-presidente da cooperativa poderá ser condenado à pena de 2 a 4 anos de prisão, além do pagamento de multa, segundo prevê o artigo 90 da Lei 8.666/1993.

O sistema ilegal funcionava da seguinte forma: a Coaf beneficiava-se da dispensa de licitação e se disponibilizava a fornecer alimentos oriundos da agricultura familiar para firmar os contratos. Mas, a maior parte dos itens entregues acabava vindo de indústrias e grandes centros de distribuição, com preços acima dos praticados no mercado e sem vinculação com pequenos produtores.

Leia também:

Para simular o cumprimento das exigências legais e viabilizar as irregularidades, a cooperativa realizava cadastros falsos de agricultores da região, com Declarações de Aptidão ao Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (DAPs) preenchidas sem o conhecimento dos titulares.

Em depoimento aos investigadores, produtores, cujos dados foram utilizados, negaram ter fornecido os alimentos à Coaf na época. Outros deles afirmaram ter entregue quantidades muito inferiores às indicadas nos registros da cooperativa.

De acordo com o MPF, as fraudes cometidas pela cooperativa na cidade do interior paulista foram as mesmas adotadas em outros municípios da região e em chamadas públicas lançadas pelo governo do estado de São Paulo.

As investigações que resultaram na denúncia contra Chebabi tiveram início com a Operação Alba Branca, deflagrada em 2016 pelo Ministério Público de São Paulo. A continuidade das apurações e o julgamento das fraudes a licitações couberam à esfera federal por envolverem recursos provenientes da União, que financia o fornecimento de merenda em estados e municípios por meio de repasses do Programa Nacional de Alimentação Escolar (Pnae).