Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.976,70
    -2.854,30 (-2,55%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.668,64
    -310,36 (-0,60%)
     
  • PETROLEO CRU

    74,87
    -1,41 (-1,85%)
     
  • OURO

    1.749,00
    -5,00 (-0,29%)
     
  • BTC-USD

    16.245,71
    -241,68 (-1,47%)
     
  • CMC Crypto 200

    381,61
    -1,04 (-0,27%)
     
  • S&P500

    4.026,12
    -1,14 (-0,03%)
     
  • DOW JONES

    34.347,03
    +152,93 (+0,45%)
     
  • FTSE

    7.486,67
    +20,07 (+0,27%)
     
  • HANG SENG

    17.573,58
    0,00 (0,00%)
     
  • NIKKEI

    28.152,18
    -130,85 (-0,46%)
     
  • NASDAQ

    11.683,50
    -99,25 (-0,84%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,6174
    -0,0070 (-0,12%)
     

Líder caminhoneiro sobre protestos: ‘Não representa a categoria’

Caminhoneiros em 2018 organizaram greve em todo o país.  REUTERS/Paulo Whitaker
Caminhoneiros em 2018 organizaram greve em todo o país. REUTERS/Paulo Whitaker

Nereu Crispim, deputado federal (PSD-RS e presidente da frente parlamentar mista em defesa dos caminhoneiros autônomos e celetistas, disse nesta segunda-feira (31) que o ato de fechar estradas pelo país é ‘ideológico e não representa a categoria’.

Após a derrota de Jair Bolsonaro (PL) nas urnas, para Luiz Inácio Lula da Silva (PT), neste domingo (30), caminhoneiros bolsonaristas fecharam trechos de rodovias em pelo menos cinco estados para contestar o resultado das eleições.

Em entrevista ao UOL News, Crispim informou que as manifestações não representam os caminhoneiros."Esses atos que estão acontecendo desde ontem pelo Brasil não são pautas e essas pessoas não representam os caminhoneiros", afirmou o deputado.

O líder dos caminhoneiros ainda destacou que as verdadeiras pautas dos caminhoneiros vêm desde 2018 e contemplam o piso mínimo do frete, a mudança da política de preços da Petrobras, aposentadoria aos 25 anos [de serviço] e unificação dos documentos fiscais.

Além disso, o deputado ainda criticou Bolsonaro, dizendo que suas promessas para as eleições em 2018 não foram cumpridas.

"Lá em 2018 o então candidato Bolsonaro fez promessas que se fosse eleito iria resolver ou iria dar uma atenção para a pauta dos caminhoneiros, e na realidade nesses quatro anos ele não resolveu nada e está aí o resultado, de que ele não foi reeleito", citou Nereu.

Crispim também apontou como responsáveis pelas paralisações que acontecem desde ontem nas estradas são "pessoas ideológicas de extrema-direita" e disse que a frente parlamentar dos caminhoneiros enviou um ofício para a PRF (Polícia Rodoviária Federal) pedindo que o direito de trabalhar dos caminhoneiros seja garantido.

O deputado federal salientou que essa frente parlamentar aceita a vitória de Lula nas urnas.

"A categoria dos caminhoneiros, através da frente parlamentar dos caminhoneiros, a qual eu represento, aceita o resultado das eleições. Ela quer que o Brasil saia desse ostracismo e desse pedido de intervenção militar", finalizou.