Mercado fechado
  • BOVESPA

    105.069,69
    +603,45 (+0,58%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.597,29
    -330,09 (-0,65%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,22
    -0,28 (-0,42%)
     
  • OURO

    1.782,10
    +21,40 (+1,22%)
     
  • BTC-USD

    49.598,23
    +2.187,95 (+4,61%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.367,14
    -74,62 (-5,18%)
     
  • S&P500

    4.538,43
    -38,67 (-0,84%)
     
  • DOW JONES

    34.580,08
    -59,71 (-0,17%)
     
  • FTSE

    7.122,32
    -6,89 (-0,10%)
     
  • HANG SENG

    23.766,69
    -22,24 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    28.029,57
    +276,20 (+1,00%)
     
  • NASDAQ

    15.687,50
    -301,00 (-1,88%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3953
    +0,0151 (+0,24%)
     

Licença familiar paga entra em foco conforme Senado dos EUA avalia plano de gastos sociais de Biden

·1 min de leitura

Por Susan Heavey

WASHINGTON (Reuters) - Pouco depois da aprovação do plano de gastos sociais e ambientais do presidente norte-americano, Joe Biden, pela Câmara dos Deputados dos Estados Unidos, seus colegas democratas estão pressionando o projeto no Senado, onde pode sofrer grandes mudanças em questões como o pagamento de licença familiar de forma a satisfazer os centristas do partido.

O pacote de 1,75 trilhão de dólares, aprovado pela Câmara na sexta-feira contra oposição republicana unificada, inclui quatro semanas de licença familiar pagas pelo governo por motivos como nascimento de uma criança ou necessidade de cuidar de um parente doente. É provável que isso se torne um ponto de conflito nos próximos dias.

A legislação, que visa fortalecer a rede de segurança social dos Estados Unidos e combater a mudança climática, deve conquistar moderados e liberais democratas do Senado, conforme os republicanos continuam se opondo. Os democratas disseram que querem um acordo até o final do ano. Quaisquer mudanças no Senado precisariam da aprovação da Câmara novamente.

"Haverá algumas mudanças", disse o senador democrata Jon Tester ao programa "Meet the Press" da NBC, pedindo um meio-termo. "Nem todos nós vemos o mundo da mesma maneira."

Biden disse que espera assinar o projeto de lei assim que for aprovado no Congresso, controlado pelos democratas, que detêm maioria estreita. O pacote deve garantir apoio dos 48 democratas do Senado, com 100 cadeiras, e de dois independentes que concordam com eles, porque nenhum republicano votará a favor.

Os democratas centristas Joe Manchin e Kyrsten Sinema, em particular, levantaram preocupações sobre seu custo e escopo.

A senadora democrata Kirsten Gillibrand mencionou diferenças com Manchin sobre a licença familiar paga, mas disse que espera que eles possam chegar a um acordo nas próximas três semanas.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos