Mercado fechado
  • BOVESPA

    109.608,09
    +1.594,62 (+1,48%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.654,37
    -168,86 (-0,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    86,29
    -0,67 (-0,77%)
     
  • OURO

    1.840,70
    -2,50 (-0,14%)
     
  • BTC-USD

    42.938,60
    +1.031,56 (+2,46%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.020,52
    +25,26 (+2,54%)
     
  • S&P500

    4.551,60
    +18,84 (+0,42%)
     
  • DOW JONES

    35.183,99
    +155,34 (+0,44%)
     
  • FTSE

    7.585,01
    -4,65 (-0,06%)
     
  • HANG SENG

    24.952,35
    +824,50 (+3,42%)
     
  • NIKKEI

    27.772,93
    +305,70 (+1,11%)
     
  • NASDAQ

    15.098,50
    +65,00 (+0,43%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1261
    -0,0413 (-0,67%)
     

Libertadores: Flamengo fica refém de quarteto ofensivo e não repete fórmula de sucesso de 2019

·2 min de leitura

Da fábrica de talentos forjados na Gávea, os craques que o Flamengo fez em casa sustentaram uma era de ouro, entre o início dos anos 1980 e meados de 1990. Só que a geração de Zico, Júnior e companhia, ídolos eternos, ganhou a partir de 2019 concorrentes do mesmo patamar.

Gabigol, Bruno Henrique, Arrascaeta e Everton Ribeiro, que representam um Flamengo forte economicamente, que não apenas forma, mas compra grandes jogadores, não foram capazes, sozinhos, de promover um sucesso esportivo consistente, que parecia distanciar o clube da tentativa frustrada do ano do centenário, em 1995. Na ocasião, o “melhor ataque do mundo” (Romário, Sávio e Edmundo) foi mera megalomania e decepcionou.

Ao longo dos últimos anos, é verdade, o tal quarteto criou vida e dinâmica próprias. Teve seu ápice com Jorge Jesus, mas mesmo após a saída do técnico português sustentou todas as conquistas do Flamengo. Entre o título de 2019 e a frustração de 2021, o clube negociou Rafinha, Pablo Marí e até Gerson, vendido este ano para ajudar a pagar as contas da pandemia.

Mas deu de ombros para investidas da Europa e do mundo árabe pelos seus homens de frente. Mesmo que não joguem juntos tanto quanto a torcida gostaria, Gabigol, Bruno Henrique, Arrascaeta e Everton Ribeiro se entendem no olhar. As movimentações ofensivas são automatizadas e a memória tática é preservada. A soma de talentos incomparável no futebol brasileiro tornava o quarteto mágico. Em 2021, a magia se perdeu.

Em 2019 Gabigol foi artilheiro com nove gols, dois deles na grande decisão, e repetiu a artilharia neste ano, agora com 11 gols. Um deles na reação diante do Palmeiras. Pouco diante do que o time todo apresentou. E pouco por perder outra chance claríssima antes.

No mata-mata de 2021, Bruno Henrique quem brilhava. Foram seis gols no total, quatro nas fases finais. Na decisão, perdeu força e velocidade, acometido por uma tendinite no joelho e por sucessivas lesões musculares.

Arrascaeta, de volta na final, tentou ser ainda mais decisivo desta vez. Com quatro gols contra apenas um em 2019, repetiu a reção em 2021, com assistência linda para Gabigol. Conseguiu se recuperar de lesão apenas para este jogo. Deixou de lado as partidas do Brasileiro devido a sua importância, mas seu protagonismo não foi suficiente. Acabou saindo no começo da prorrogação, depois da falha de Andreas e o segundo gol do Palmeiras.

Já Everton Ribeiro teve papel menos decisivo nas duas decisões. Nesta, passou despercebido, e saiu no segundo tempo. Do quarteto, é o elo mais frágil. Talvez por isso o ataque tenha perdido a liga que já teve. O Flamengo sabia que dependia dela para superar o Palmeiras independentemente das escolhas do técnico Renato Gaúcho.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos