Mercado fechado
  • BOVESPA

    106.296,18
    -1.438,83 (-1,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.889,66
    -130,39 (-0,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    83,98
    +1,48 (+1,79%)
     
  • OURO

    1.793,10
    +11,20 (+0,63%)
     
  • BTC-USD

    59.890,77
    -1.522,59 (-2,48%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.453,34
    -49,69 (-3,31%)
     
  • S&P500

    4.544,90
    -4,88 (-0,11%)
     
  • DOW JONES

    35.677,02
    +73,94 (+0,21%)
     
  • FTSE

    7.204,55
    +14,25 (+0,20%)
     
  • HANG SENG

    26.126,93
    +109,40 (+0,42%)
     
  • NIKKEI

    28.804,85
    +96,27 (+0,34%)
     
  • NASDAQ

    15.324,00
    -154,75 (-1,00%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5808
    -0,0002 (-0,00%)
     

Liberação dos EUA para passageiro do Brasil movimenta negócios de viagens

·2 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Negócios ligados ao mercado de viagens internacionais começam a se movimentar com a perspectiva da liberação da fronteira dos EUA para a entrada de passageiros vacinados do Brasil. Empresas de imigração, seguros de viagens e casas de câmbio se preparam para atender a demanda represada.

Desde a semana passada, quando a Casa Branca fez o anúncio da reabertura prevista para novembro, a procura de clientes já aumentou nas empresas de imigração. A medida ainda precisa ser oficialmente publicada e regulamentada pelo governo americano.

O presidente da Hayman Woodward, Leonardo Freitas, disse que, na própria segunda, recebeu contatos de clientes pedindo detalhes sobre a liberação. A empresa, que tem cerca de 250 funcionários, vai contratar quase 60 profissionais a mais para atender o salto na demanda de brasileiros e chineses.

A suspensão dos vistos americanos na pandemia provocou gargalo nos procedimentos e o volume de trabalho deve aumentar muito após a liberação.

Wagner Pontes, presidente da D4U USA, que atende investidores e famílias em busca do green card, diz que o represamento se deu na etapa da entrevista consular, feita após a aprovação do aplicante nos EUA.

Segundo ele, a opção para agilizar as entrevistas, que devem levar algum tempo para se normalizar por aqui após a retomada dos consulados americanos, é realizar essa etapa nos EUA, já que as viagens ao país serão liberadas.

“É um procedimento chamado ajuste de status, para quem já tem algum visto, como o de turista, e teve a aprovação do green card”, diz ele.

A reabertura das viagens para os EUA também melhora o horizonte das casas de câmbio que sofreram queda da demanda na pandemia, segundo Tatiana Goes, da Goes Invest. "A procura pela moeda estrangeira retomou. O retorno da possibilidade de o brasileiro viajar aquece o mercado de compra de papel-moeda, que teve uma queda dramática", diz a economista.

O segmento de seguro de viagens também espera um crescimento. Para a Allianz Travel, o avanço estimado é de 20% a 25% nas emissões de vouchers para a América do Norte com a liberação das fronteiras dos Estados Unidos e do Canadá.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos