Mercado fechado
  • BOVESPA

    122.038,11
    +2.117,50 (+1,77%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.249,02
    +314,11 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,82
    +0,11 (+0,17%)
     
  • OURO

    1.832,00
    +16,30 (+0,90%)
     
  • BTC-USD

    58.659,11
    +1.451,08 (+2,54%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.480,07
    +44,28 (+3,08%)
     
  • S&P500

    4.232,60
    +30,98 (+0,74%)
     
  • DOW JONES

    34.777,76
    +229,23 (+0,66%)
     
  • FTSE

    7.129,71
    +53,54 (+0,76%)
     
  • HANG SENG

    28.610,65
    -26,81 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    29.357,82
    +26,45 (+0,09%)
     
  • NASDAQ

    13.715,50
    +117,75 (+0,87%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3651
    -0,0015 (-0,02%)
     

Lições da covid devem ser usadas para combater resistência aos antibióticos, diz OMS

Nina LARSON
·3 minuto de leitura
A resistência aos antibióticos ocorre quando as bactérias se tornam imunes aos medicamentos existentes

As lições aprendidas na luta contra o vírus da covid-19 devem ser usadas para combater outro flagelo que ameaça seriamente a população mundial: a resistência aos antibióticos, destacou a OMS nesta quinta-feira (15).

A Organização Mundial da Saúde divulgou seu novo relatório sobre medicamentos em desenvolvimento para combater as superbactérias, assim chamadas porque são resistentes a muitas classes de antibióticos.

E a observação da OMS é sombria porque há pouquíssimos novos medicamentos eficazes nos projetos dos laboratórios farmacêuticos.

Mas estima que a mobilização contra a covid-19 provou que um progresso rápido pode ser feito quando estimulado por vontade política.

- Calcanhar de Aquiles -

"Os antibióticos são o calcanhar de Aquiles da cobertura universal de saúde e de nossa segurança sanitária", comentou Haileyesus Getahun, responsável pela divisão de resistência a antibacterianos da OMS.

"As oportunidades que se apresentam à luz da pandemia de covid-19 devem ser aproveitadas para enfatizar a necessidade de investimento durável (em pesquisa) para novos antibióticos eficazes", acrescentou.

Ele sugere a criação de um mecanismo global para arrecadar fundos para combater a resistência das bactérias, semelhante ao que foi feito para desenvolver vacinas contra a covid.

A covid-19 nos ensinou "como uma doença contagiosa pode se espalhar rapidamente", explicou Henry Skinner, que dirige o AMR Action Fund, em uma entrevista coletiva.

"Precisamos dos medicamentos certos disponíveis para sempre sermos capazes de tratar essas infecções e evitar que se transformem em uma pandemia", disse ele.

As bactérias resistentes matam mais de 68.000 pessoas a cada ano na Europa e nos Estados Unidos. E é um problema indiscutivelmente mais grave em países de renda média e baixa, mas os dados não estão disponíveis, segundo Peter Beyer, que chefia a Unidade de Coordenação e Colaboração Global sobre Resistência a Antibacterianos.

A resistência aumenta porque os antibióticos são muito e mal usados, seja na criação de animais ou no tratamento de humanos.

As bactérias desenvolvem resistência e não respondem mais aos tratamentos existentes.

É preciso, portanto, criar novos antibióticos, mas os grupos farmacêuticos relutam em investir grandes somas em um setor considerado pouco lucrativo.

- Anos 80 -

Desta forma, a maioria dos antibióticos que estão no mercado são classes de drogas descobertas antes da década de 1980, ressaltou a organização.

Em seu relatório anual, observa que nenhum dos 43 antibióticos em desenvolvimento pode combater com eficácia as bactérias mais perigosas em circulação.

Também aponta que 82% dos antibióticos autorizados recentemente pertencem a classes de medicamentos aos quais as bactérias já se mostraram resistentes.

"Embora existam produtos inovadores em desenvolvimento, é provável que apenas uma fração deles chegue ao mercado devido aos altos índices de fracassos no processo", alertam os autores do relatório.

Pela primeira vez, a OMS também cataloga medicamentos antibacterianos não tradicionais. Identifica 27 deles, incluindo antígenos monoclonais ou mesmo o uso de fagos, vírus que infectam apenas bactérias e que foram amplamente utilizadas atrás da "cortina de ferro" durante a Guerra Fria e agora estão sendo redescobertos no Ocidente.

vog/apo/ial/mr