Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.113,93
    +412,93 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.726,98
    +212,88 (+0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,07
    -0,06 (-0,10%)
     
  • OURO

    1.777,30
    -2,90 (-0,16%)
     
  • BTC-USD

    56.213,65
    -5.195,72 (-8,46%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.398,97
    +7,26 (+0,52%)
     
  • S&P500

    4.185,47
    +15,05 (+0,36%)
     
  • DOW JONES

    34.200,67
    +164,67 (+0,48%)
     
  • FTSE

    7.019,53
    +36,03 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    28.969,71
    +176,61 (+0,61%)
     
  • NIKKEI

    29.683,37
    +40,67 (+0,14%)
     
  • NASDAQ

    14.024,00
    -5,50 (-0,04%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6842
    -0,0369 (-0,55%)
     

LG vai levar produção de monitores e notebooks de SP para Manaus

FERNANDA BRIGATTI
·2 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Com o encerramento global da divisão de smartphones, a LG vai levar as linhas de produção de monitores e notebooks, hoje localizadas em Taubaté (SP), para Manaus (AM), cidade em que a empresa já fabrica outros produtos, como televisores. A entidade teve reunião com representantes da companhia nesta terça (6). A LG no Brasil diz, em nota, que a transferência da produção para a unidade no Amazonas fortalecerá sua estratégia comercial. A empresa afirma também que cumprirá as responsabilidades para minimizar os impactos para funcionários e parceiros comerciais. A LG não diz as datas exatas para o encerramento e transferência da produção no interior de São Paulo. Em comunicado divulgado na segunda (5), diz que até 31 de julho todas as linhas de smartphones estarão desligadas. Com a mudança para Manaus, serão 700 os empregados diretos da LG em Taubaté que deverão ser demitidos, segundo o Sindicato dos Metalúrgicos de Taubaté. São 400 atuando na produção de celulares e outros 300 com os monitores e notebooks. A entidade sindical e a LG tiveram nesta terça a primeira de uma série de reuniões. Em vídeo divulgado após a reunião, o presidente do sindicato, Cláudio Batista, diz que a intenção é fechar um acordo para os funcionários até o fim da semana. Segundo Batista, a LG comunicou que manterá no município paulista o call center e o serviço de assistência técnica. Juntos, os dois setores têm 300 empregados. "Ficou acertado que vamos discutir, podendo chegar a um acordo, plano médico, PLR [participação nos lucros e resultados], indenização social, qualificação profissional, assistência sindical, prova de quitação, absenteísmo, B94 [código do INSS para auxílio-doença por questões de trabalho], estáveis e gestantes", disse o presidente do sindicato de Taubaté. Além dos empregados da fábrica em Taubaté, o encerramento da produção de smartphones no Brasil também terá efeitos sobre três empresas na região, sendo duas em Caçapava e uma em São José dos Campos. Juntas elas empregam cerca de 430 pessoas, diz o sindicato. Segundo o sindicato de São José dos Campos, todas trabalham somente para atender a LG. Sem a produção de telefones, elas deverão fechar, afirma a entidade. Pela manhã, nesta terça, a trabalhadoras dessas três empresas deram início a uma greve. O Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos encaminhou uma representação ao Ministério Público do Trabalho. A entidade diz que a possibilidade de haver demissão coletiva é ilegal e pede abertura de um inquérito civil. “O clima nas fábricas é de indignação e muita preocupação. Estamos num momento de alto índice de desemprego, desindustrialização e pandemia", diz Weller Gonçalves, presidente do sindicato.