Mercado fechará em 6 h 43 min
  • BOVESPA

    106.858,87
    +1.789,18 (+1,70%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.605,56
    +8,27 (+0,02%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,63
    +2,14 (+3,08%)
     
  • OURO

    1.784,70
    +5,20 (+0,29%)
     
  • BTC-USD

    51.355,48
    +2.948,79 (+6,09%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.328,58
    +68,42 (+5,43%)
     
  • S&P500

    4.591,67
    +53,24 (+1,17%)
     
  • DOW JONES

    35.227,03
    +646,95 (+1,87%)
     
  • FTSE

    7.313,17
    +80,89 (+1,12%)
     
  • HANG SENG

    23.983,66
    +634,28 (+2,72%)
     
  • NIKKEI

    28.455,60
    +528,23 (+1,89%)
     
  • NASDAQ

    16.123,50
    +280,75 (+1,77%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3717
    -0,0519 (-0,81%)
     

Leoni relança livro sem declaração homofóbica de Samuel Rosa: 'Ele se arrependeu e pediu'

·1 min de leitura

Leoni vai relançar a segunda edição do livro “Letra, música e outras conversas”, de 1996, no qual ele entrevista vários artistas sobre o ato de compor. A obra será relançada com algumas alterações. Uma delas é a retirada de uma declaração homofóbica feita por Samuel Rosa, vocalista do Skank. A história veio à tona durante um live do ex-Kid Abelha com a cantora Marina Lima no Instagram.

"Sabe uma coisa que lembro muito desse livro seu, que você me contou na época e que eu nunca esqueci. Depois eu fui compor com esse cara. Você me contou que o Samuel (Rosa) tinha te dito uma coisa tão louca, que música com mais de três acordes era coisa de viado. Eu fiquei com isso na cabeça pesando: 'mas que grilo, que medo, mais um acordezinho e vai que...'. Depois eu fui compor com ele e vi que ele era um doce, mas não falei nada", disse Marina.

Leoni disse então que tirou da nova edição a declaração a pedido do próprio Samuel: "Ele se arrependeu muito daquilo. Saiu no livro, mas ele me pediu para tirar da segunda edição. São coisas que a gente falava naquela época e que não tem mais a ver. No livro, eu percebi que a gente mudou muito, tem perguntas ali que eu não faria de novo. Percebi que a gente tem o direito e mudar. Não se pode julgar o passado com os olhos de hoje".

Veja também: Paula Toller abre o jogo sobre maternidade, fim do Kid Abelha e críticas: 'Apanhei muito, sou cancelada há décadas'

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos