Mercado abrirá em 2 h 45 min
  • BOVESPA

    110.334,83
    +299,66 (+0,27%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.784,58
    +191,67 (+0,43%)
     
  • PETROLEO CRU

    60,79
    +0,15 (+0,25%)
     
  • OURO

    1.723,80
    +0,80 (+0,05%)
     
  • BTC-USD

    49.034,86
    +1.705,39 (+3,60%)
     
  • CMC Crypto 200

    986,22
    -0,43 (-0,04%)
     
  • S&P500

    3.901,82
    +90,67 (+2,38%)
     
  • DOW JONES

    31.535,51
    +603,14 (+1,95%)
     
  • FTSE

    6.609,74
    +21,21 (+0,32%)
     
  • HANG SENG

    29.095,86
    -356,71 (-1,21%)
     
  • NIKKEI

    29.408,17
    -255,33 (-0,86%)
     
  • NASDAQ

    13.204,75
    -75,00 (-0,56%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7721
    -0,0235 (-0,35%)
     

Lembre os principais momentos da pandemia do coronavírus em Manaus

Renato Grandelle
·2 minuto de leitura

RIO — Manaus foi a primeira capital brasileira a sucumbir diante do coronavírus, ainda em abril. O sistema hospitalar e os cemitérios entraram em colapso. Foi a única que considerou — erroneamente — que estava livre da Covid-19, por supostamente ter atingido a imunidade de rebanho. Foi palco de protestos contra o fechamento do comércio, uma medida tomada país afora e rechaçada por bolsonaristas. Agora, é um cenário macabro das consequências da falta de políticas públicas contra a crise sanitária. Outro componente chama atenção dos pesquisadores — a chegada de uma nova cepa, que veio com turistas japoneses entre dezembro e janeiro, cujo indice de transmissibilidade ainda é alvo de estudos.

Veja como evoluiu a crise na cidade:

Abril/maio

A pandemia da Covid-19 provoca o colapso do sistema hospitalar de Manaus, cidade com dois milhões de habitantes que chegou a registrar mais de cem óbitos por dia e engarrafamento de carros de agências funerárias em frente aos cemitérios. Para dar conta do número de mortes, a cidade passa a fazer enterros em covas coletivas.

Junho

Pesquisa preliminar do Instituto de Medicina Tropical da USP, com colaboração da Universidade de Oxford, na Inglaterra, conclui que até 66% da população de Manaus foram expostos à Covid-19, e a cidade já teria, dessa forma, atingido o status de “imunidade de rebanho”.

Setembro

Internações por Covid-19 voltam a crescer. Nos meses seguintes, hospitais montam tendas externas para fazer triagem de pacientes.

23 de dezembro

O governador Wilson Lima (PSC) edita decreto proibindo a abertura de atividades não essenciais por 15 dias, por conta do avanço do coronavírus no estado.

27 de dezembro

Após uma série de protestos nas ruas, Lima volta atrás e permite reabertura do comércio.

4 de janeiro

Pressionado pelo aumento de casos, o governo estadual publica um novo decreto suspendendo atividades econômicas não essenciais por 15 dias.

12 de janeiro

Fiocruz confirma identificação de nova cepa da Covid-19 no Amazonas. A variante foi encontrada em Tóquio em quatro viajantes japoneses que haviam passado pelo estado entre dezembro e janeiro.

14 de janeiro

Acabam os estoques de oxigênio em diversos hospitais da cidade, e pacientes começam a morrer por asfixia.