Mercado fechado
  • BOVESPA

    98.672,26
    +591,91 (+0,60%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.741,50
    +1.083,62 (+2,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    107,06
    +2,79 (+2,68%)
     
  • OURO

    1.828,10
    -1,70 (-0,09%)
     
  • BTC-USD

    21.412,12
    -43,41 (-0,20%)
     
  • CMC Crypto 200

    462,12
    +8,22 (+1,81%)
     
  • S&P500

    3.911,74
    +116,01 (+3,06%)
     
  • DOW JONES

    31.500,68
    +823,32 (+2,68%)
     
  • FTSE

    7.208,81
    +188,36 (+2,68%)
     
  • HANG SENG

    21.719,06
    +445,19 (+2,09%)
     
  • NIKKEI

    26.491,97
    +320,72 (+1,23%)
     
  • NASDAQ

    12.132,75
    +395,25 (+3,37%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5524
    +0,0407 (+0,74%)
     

'Leite ninho a R$ 2,79': folheto desperta debate sobre alta nos preços dos alimentos

Leite Ninho e mais: internautas relembram preços de alimentos no ano de 2001 (Getty Image)
Leite Ninho e mais: internautas relembram preços de alimentos no ano de 2001 (Getty Image)
  • Uma publicação fez com que internautas discutissem aumento de preços;

  • Valor do leite Ninho espantou os usuários do Twitter;

  • Dieese diz que o produto mais do que dobrou de custo em 10 anos.

Um bebê fofinho saindo de dentro de um repolho é o puro suco da estética dos anos 2000. Mas essa não é a única imagem que trouxe nostalgia para os tuiteiros de plantão. Uma postagem com a foto de um jornal de mercado do início do milênio fez com que os internautas sentissem falta de algo ainda mais vintage: alimentos com preço baixo.

"O sorriso de um bebê que nasceu em uma época em que dava para comprar um Nescau a R$ 1,96", comentou a autora da publicação. "É muito louco pensar que nessa época você podia comprar um repolho e uma criança por menos de 1 real", brincou outro perfil.

As discussões em torno do valor dos produtos movimentou a internet. E não é para menos. No folheto, o leite Ninho de 400 gramas era anunciado por R$ 2,79.

Agora, a lata de 380g é vendida por cerca de R$ 15. Ou seja, além do aumento, o produto ainda sofreu "reduflação", quando uma embalagem é diminuída por causa do peso do aumento do preço ocasionado pela inflação.

A reclamação dos internautas não é em vão. O Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) aponta o consumidor consegue comprar menos da metade da quantidade de leite que comprava há 10 anos utilizando a mesma quantia em dinheiro.

Mudanças climáticas, custo da energia elétricas, alta do petróleo e preço de alimentos para manter os animais são alguns dos fatores que influenciaram da disparada do custo do produto.

Contudo, o leite não foi o único produto que ficou bem mais caro. O Dieese contatou que alimentos básicos presentes no dia a dia do brasileiros ficaram mais do que 14% mais caros em apenas um ano.

Em São Paulo, a cesta básica está custando por volta de R$ 804. O valor representa 66% do salário mínimo, que está fixado em R$ 1.212. Para conseguir pagar pela alimentação e por todos as outras contas básicas para levar uma vida digna, os brasileiros deveriam receber R$ 6.754,33, ou seja, 5,57 vezes o mínimo.

Veja o que as pessoas estão comentando sobre o assunto

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos