Mercado fechado
  • BOVESPA

    105.069,69
    +603,45 (+0,58%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.597,29
    -330,09 (-0,65%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,22
    -0,28 (-0,42%)
     
  • OURO

    1.782,10
    +21,40 (+1,22%)
     
  • BTC-USD

    49.413,25
    +1.981,70 (+4,18%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.367,14
    -74,62 (-5,18%)
     
  • S&P500

    4.538,43
    -38,67 (-0,84%)
     
  • DOW JONES

    34.580,08
    -59,71 (-0,17%)
     
  • FTSE

    7.122,32
    -6,89 (-0,10%)
     
  • HANG SENG

    23.766,69
    -22,24 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    28.029,57
    +276,20 (+1,00%)
     
  • NASDAQ

    15.687,50
    -301,00 (-1,88%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3953
    +0,0151 (+0,24%)
     

Leilão do 5G começa nesta quinta-feira em Brasília; saiba como vai ser

·4 min de leitura

A primeira sessão de abertura e análise do Leilão do 5G está marcada para esta quinta-feira (4), às 10h. Na reunião, na sede da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), em Brasília, a equipe do órgão vai analisar as 15 propostas recebidas de empresas e consórcios interessados em oferecer a tecnologia no país. Como há muitos candidatos, a sessão pode levar mais de um dia para ser terminar.

Os documentos foram entregues pelos participantes em 27 de outubro. "Dos 15 proponentes, só cinco são empresas [de grande porte] que já prestam o serviço. É completamente inédito um leilão com 10 novos proponentes. O modelo do leilão foi bem-sucedido no estímulo à competição", diz Abraão Balbino, superintendente de competição da Anatel.

Imagem: Divulgação/Anatel
Imagem: Divulgação/Anatel

Durante a sessão, os envelopes com as propostas serão abertos e a agência vai analisar uma a uma. Assim, vai verificar em quais faixas de frequência há competição e quais foram os valores oferecidos por elas. Segundo a Anatel, porém, o envio da proposta de interesse não garante participação no leilão. Os interessados devem cumprir os requisitos do edital.

As concorrentes podem ser divididas em dois grupos. Veja:

  • Prestadoras de serviço de grande porte: que devem buscar as frequências mais elevadas e podem oferecer maior velocidade de conexão. Aqui estão Claro, Tim e Vivo, as três maiores operadoras de telefonia do Brasil, bem como Algar Telecom e Sercomtel, que já oferecem serviços de internet.

  • Companhias e provedores regionais de internet: esses estão mais interessados em frequências menores, de velocidade mais baixa, que permitem cobrir grandes áreas. As interessadas incluem companhias de diverso segmentos que operam em todas as regiões do país.

Faixas de frequência

O sinal de internet 5G será transmitido por ondas de rádio. Para que não interfira em outros serviços, como o 4G, o wi-fi e o sinal de televisão, o 5G vai precisar de frequências exclusivas. Quatro delas estão no leilão: 700 MHz, 2,3 GHz, 3,5 GHz e 26 GHz.

O espectro de 3,5 GHz deve ser o mais cobiçado, já que é o mais usado para o 5G no mundo. O edital prevê obrigações específicas para quem comprar essa faixa:

  • expansão de 13 mil km de cabos de fibra óptica nos leitos dos rios da região Norte;

  • rede privativa de comunicação 5G para a administração federal: uma fixa de fibra óptica para ligar todos os órgãos da União e uma móvel apenas no Distrito Federal para atividades de segurança pública, defesa, serviços de emergência e resposta a desastres;

  • limpeza da faixa de 3,5 GHz, que é atualmente usada para transmitir TV via parabólica (os usuários devem ser alocados na banda Ku, que fica entre 10,7 GHz e 18 GHz).

Os lotes à venda foram divididos pela Anatel em nacionais e regionais. As propostas serão julgadas pelo maior preço público ofertado para cada lote. Se uma operadora adquirir uma faixa inteira, ela pode dividir o uso com as concorrentes.

A autorização para o uso dos espectros só vai ocorrer mediante o cumprimento de algumas obrigações, como investimentos em infraestrutura para ampliar a cobertura de sinal no país. A Anatel espera que a licitação movimente R$ 49,7 bilhões. Desse total, R$ 10,6 bilhões representam o custo das outorgas — ou seja, o direito de explorar comercialmente o 5G — e vão para o governo federal.

Imagem: Divulgação/Anatel
Imagem: Divulgação/Anatel

Como o leilão não tem finalidade arrecadatória, parte dos recursos será investida em infraestrutura. Pelo menos R$ 7 bilhões devem ir para a implantação de internet rápida em escolas públicas no país. Além disso, espera-se levar internet a áreas sem conexão, como pequenas cidades e estradas, e criar uma rede privada para o governo federal.

As operadoras terão de investir, ainda, na instalação de redes 4G em todos os municípios com mais de 600 habitantes (cerca de 500), em roaming nacional obrigatório e na cobertura de 48 mil quilômetros de estradas com internet de alta velocidade (prioridade nas BRs 163, 364, 242, 135, 101 e 116).

Quando vai ser possível usar o 5G

A expectativa é que o 5G comece a ser oferecido até 31 de julho de 2022. Inicialmente, a tecnologia estará disponível nas capitais brasileiras. As demais localidades seguem o cronograma:

  • 31 de julho de 2025: cidades com mais de 500 mil habitantes;

  • 31 de julho de 2026: localidades com mais de 200 mil habitantes;

  • 31 de julho de 2027: municípios com mais de 100 mil habitantes;

  • 31 de julho de 2028: cidades com mais de 30 mil habitantes.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos