Mercado fechado
  • BOVESPA

    93.952,40
    -2.629,76 (-2,72%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    36.987,86
    +186,49 (+0,51%)
     
  • PETROLEO CRU

    35,72
    -0,45 (-1,24%)
     
  • OURO

    1.878,80
    +10,80 (+0,58%)
     
  • BTC-USD

    13.647,35
    +100,36 (+0,74%)
     
  • CMC Crypto 200

    265,42
    +1,78 (+0,68%)
     
  • S&P500

    3.269,96
    -40,15 (-1,21%)
     
  • DOW JONES

    26.501,60
    -157,51 (-0,59%)
     
  • FTSE

    5.577,27
    -4,48 (-0,08%)
     
  • HANG SENG

    24.107,42
    -479,18 (-1,95%)
     
  • NIKKEI

    22.977,13
    -354,81 (-1,52%)
     
  • NASDAQ

    11.089,00
    -253,75 (-2,24%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6872
    -0,0584 (-0,87%)
     

Legisladoras dos EUA propõe convenção para decidir estatuto de Porto Rico

Tom Williams
·1 minuto de leitura
A representante Alexandria Ocasio-Cortez em Washington, 24 de agosto de 2020
A representante Alexandria Ocasio-Cortez em Washington, 24 de agosto de 2020

Duas legisladoras americanas de origem porto-riquenha, Alexandria Ocasio-Cortez e Nydia Velázquez, propuseram nesta terça-feira (25) que a ilha defina seu estatuto em uma convenção, ao invés do referendo que as autoridades querem celebrar em novembro.

As legisladoras democratas impulsionam uma lei para decidir o futuro deste território americano e defenderam sua ideia em uma coluna publicada na NBCNews. 

"A legislação impulsionaria os legisladores de Porto Rico a criar uma convenção para o estatuto, cujos delegados seriam escolhidos pelos eleitores de Porto Rico", disseram as congressistas.

O objetivo desta entidade seria determinar a solução a longo prazo da ilha para decidir se ela se integrará aos Estados Unidos como um estado, se será independente ou se prefere a livre associação. 

O estatuto da ilha, que passou ao controle dos Estados Unidos em 1898 após a guerra com a coroa espanhola, é objeto de intenso debate e cálculos eleitorais. 

Embora seus residentes sejam cidadãos americanos, não votam na ilha nas eleições presidenciais, nem têm representantes no Congresso, mas enviam delegados sem direito a voto a Washington. 

Devido a este estatuto, o referendo anunciado pela governadora porto-riquenha, Wanda Vázquez, é não vinculante e qualquer decisão fica subordinada ao Congresso dos Estados Unidos. 

"Durante mais de 100 anos, o território americano de Porto Rico tem sido submetido a políticas impostas por um Congresso ao qual frequentemente não lhe interessa o bem-estar de quem vive ali", afirmaram as legisladoras. 

Para elas, estes problemas resultam do estatuto "colonial" da ilha que, afirmam, leva a que seus residentes sejam tratados como "cidadãos de segunda classe". 

an/mls/mvv