Mercado fechado
  • BOVESPA

    106.363,10
    -56,43 (-0,05%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.714,60
    -491,99 (-0,94%)
     
  • PETROLEO CRU

    81,23
    -1,43 (-1,73%)
     
  • OURO

    1.796,20
    -2,60 (-0,14%)
     
  • BTC-USD

    58.809,66
    -2.022,84 (-3,33%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.407,93
    -66,40 (-4,50%)
     
  • S&P500

    4.551,68
    -23,11 (-0,51%)
     
  • DOW JONES

    35.490,69
    -266,19 (-0,74%)
     
  • FTSE

    7.253,27
    -24,35 (-0,33%)
     
  • HANG SENG

    25.628,74
    0,00 (0,00%)
     
  • NIKKEI

    28.788,98
    -309,26 (-1,06%)
     
  • NASDAQ

    15.611,00
    +23,75 (+0,15%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4187
    -0,0060 (-0,09%)
     

Legalização de jogo pode entrar na reforma do IR com R$ 50 bi

·1 minuto de leitura

(Bloomberg) -- A reforma do Imposto de Renda poderá ser ajustada para incluir a legalização dos jogos de azar, gerando até R$ 50 bilhões por ano em arrecadação, de acordo com o senador Angelo Coronel (PSD-BA), relator do projeto.

A ideia é polêmica, pois provavelmente desagradaria a base evangélica do presidente Jair Bolsonaro nas eleições de 2022, mas Coronel diz que essa é uma forma eficaz de levantar recursos para ajudar o governo a compensar cortes maiores na taxação das empresas.

“Se houver perda de receita [com a reforma], temos que achar alternativas. Uma delas pode ser os jogos”, disse Coronel à Bloomberg News em entrevista na quarta-feira. Ele também é relator de um projeto de lei em separado que visa legalizar os jogos de azar.

A reforma do Imposto de Renda capitaneada pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, precisa ser aprovada até o final do ano para financiar o novo programa social de Bolsonaro.

A reforma tem enfrentado resistência dos setores financeiro e industrial, que se opõem à proposta de taxar dividendos em 15%. O projeto foi aprovado pela Câmara com ampla margem de votos, mas o apoio no Senado é menor.

Os senadores só apoiarão um imposto sobre os dividendos se isso não significar bitributação para as empresas, disse Coronel. “Se a gente fizer uma reforma tributária em que não vai reduzir imposto, não é reforma”, afirmou.

O Senado vai realizar pelo menos quatro audiências públicas com grupos empresariais para debater a proposta. No dia 27 de setembro, o relator se reunirá com Guedes para discutir o projeto.

Coronel espera que o Senado vote o projeto até novembro. Se houver alterações, será necessária uma segunda votação na Câmara dos Deputados.

Most Read from Bloomberg Businessweek

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos