Mercado abrirá em 6 h 33 min
  • BOVESPA

    108.523,47
    -1.617,53 (-1,47%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.049,05
    +174,15 (+0,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,51
    +0,12 (+0,16%)
     
  • OURO

    1.888,60
    +12,00 (+0,64%)
     
  • BTC-USD

    22.859,08
    -518,57 (-2,22%)
     
  • CMC Crypto 200

    524,25
    -12,61 (-2,35%)
     
  • S&P500

    4.136,48
    -43,28 (-1,04%)
     
  • DOW JONES

    33.926,01
    -127,89 (-0,38%)
     
  • FTSE

    7.901,80
    +81,64 (+1,04%)
     
  • HANG SENG

    21.149,44
    -511,03 (-2,36%)
     
  • NIKKEI

    27.704,42
    +194,96 (+0,71%)
     
  • NASDAQ

    12.560,25
    -63,75 (-0,50%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5614
    +0,0229 (+0,41%)
     

Lecanemab | Novo remédio desacelera Alzheimer de modo promissor

Para o tratamento de casos precoces de Alzheimer, os resultados da terceira e última fase antes da aprovação de um novo remédio são altamente promissores. Nos testes, a medicação Lecanemab reduziu, com sucesso, o avanço do declínio cognitivo causado por esta doença, considerada irreversível até o momento.

Desenvolvido pela farmacêutica norte-americana Biogen e a japonesa Eisai, o remédio Lecanemab é um tipo de anticorpo monoclonal — a estratégia já é adotada no combate de outras doenças, como câncer e covid-19. Os resultados da Fase 3 do estudo clínico foram publicados na revista científica New England Journal of Medicine (Nejm).

Estudo de Fase 3 de nova medicação contra o Alzheimer

No estudo de Fase 3, os pesquisadores recrutaram cerca de 1,7 mil voluntários, com mais de 50 anos, sendo que 898 participantes receberam o remédio Lecanemab. Os outros 897 foram "medicados" com um placebo — substância sem ação contra a evolução do Alzheimer.

No grupo que recebeu a medicação, foi possível identificar uma desaceleração do declínio cognitivo em 27%. "O Lecanemab reduziu os marcadores da [proteína] amiloide associados à doença de Alzheimer precoce e resultou em declínio moderadamente menor nas medidas de cognição e função do que o placebo em 18 meses", afirmam os autores do estudo.

Em estudo, remédio Lecanemab desacelera o avanço da doença de Alzheimer (Imagem: Rido81/Envato)
Em estudo, remédio Lecanemab desacelera o avanço da doença de Alzheimer (Imagem: Rido81/Envato)

Por outro lado, os cientistas apontam que a medicação "foi associada a eventos adversos". Por exemplo, entre os efeitos colaterais, foi possível identificar casos de hemorragias cerebrais, inchaço no cérebro e dores de cabeça. Inclusive, alguns participantes precisaram deixar a pesquisa.

Neste cenário, os pesquisadores sugerem que "ensaios mais longos são necessários para determinar a eficácia e segurança do Lecanemab no início da doença de Alzheimer".

Como age o remédio contra a doença do Alzheimer?

Segundo o estudo de Fase 3, o grupo de voluntários que recebeu o medicamento Lecanemab teve o progresso da doença retardado em aproximadamente 27% em comparação com os voluntários que receberam o placebo. Este é um bom indicativo da eficácia da fórmula contra o Alzheimer.

Administrado por infusão intravenosa, o anticorpo monoclonal promove a "limpeza" das placas que se formam no cérebro e são constituídas pelo acúmulo das proteínas beta-amiloides na região — são uma espécie de gosma pegajosa. No momento, o consenso científico é de que essas formações são uma das responsáveis por provocar o quadro de Alzheimer, já que a afetam a comunicação entre neurônios.

Os primeiros benefícios da medicação foram identificados após os seis primeiros meses do início do tratamento experimental. No entanto, o quadro de melhora se perpetuou até o final do estudo (18 meses).

Anticorpo para retardar o Alzheimer já pode ser usado?

Novo remédio contra o Alzheimer poderá ajudar pessoas com diagnósticos precoces da doença (Imagem: Image-Source/Envato Elements)
Novo remédio contra o Alzheimer poderá ajudar pessoas com diagnósticos precoces da doença (Imagem: Image-Source/Envato Elements)

A medicação contra o Alzheimer ainda não pode ser usada em nenhum lugar do globo, já que, até o momento, nenhuma agência de saúde aprovou o uso do anticorpo monoclonal. Para adiantar os processos de análise, a farmacêutica Eisai solicitou anteriormente o modelo de aprovação contínua para a agência Food and Drug Administration (FDA), nos EUA.

Se aprovada, a expectativa é que a medicação seja prescrita para pessoas com comprometimento cognitivo leve (MCI) devido ao Alzheimer e à demência precoce de Alzheimer.

Quais são as expectativas com o remédio do Alzheimer?

Apesar das limitações, os resultados já obtidos do remédio contra o Alzheimer são promissores. "Este tratamento pode mudar significativamente o curso da doença para pessoas nos estágios iniciais da doença de Alzheimer", afirma a Alzheimer's Association, em comunicado.

Quando aprovado, "o Lecanemab proporcionará aos pacientes mais tempo para participar da vida diária e viver de forma independente. Isso pode significar muitos meses a mais reconhecendo seu cônjuge, filhos e netos", completa o grupo.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: