Mercado fechará em 1 h 59 min
  • BOVESPA

    108.915,54
    +1.085,81 (+1,01%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.854,40
    -481,11 (-0,90%)
     
  • PETROLEO CRU

    77,78
    +0,64 (+0,83%)
     
  • OURO

    1.886,80
    +2,00 (+0,11%)
     
  • BTC-USD

    22.940,57
    -52,51 (-0,23%)
     
  • CMC Crypto 200

    528,46
    -8,44 (-1,57%)
     
  • S&P500

    4.125,16
    -38,84 (-0,93%)
     
  • DOW JONES

    33.987,19
    -169,50 (-0,50%)
     
  • FTSE

    7.885,17
    +20,46 (+0,26%)
     
  • HANG SENG

    21.283,52
    -15,18 (-0,07%)
     
  • NIKKEI

    27.606,46
    -79,01 (-0,29%)
     
  • NASDAQ

    12.552,25
    -224,50 (-1,76%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,6045
    +0,0274 (+0,49%)
     

Lecanemab: órgão de saúde dos EUA aprova novo remédio para Alzheimer

Na sexta-feira (6), a Administração Federal de Alimentos e Medicamentos (FDA), órgão de saúde pública dos Estados Unidos, aprovou o Lecanemab, remédio que apresentou resultados promissores contra o Alzheimer em novembro. O tratamento, desenvolvido pela farmacêutica norte-americana Biogen e a japonesa Eisai, é indicado para o estágio inicial da doença.

O remédio, que passou a ser chamado comercialmente de Leqembi, é um tipo de anticorpo monoclonal — a estratégia já é adotada no combate de outras doenças, como câncer e covid-19. Nos testes, o Lecanemab reduziu, com sucesso, o avanço do declínio cognitivo causado por esta doença, considerada até então como irreversível.

O Leqembi foi aprovado pelo processo de análise acelerada do FDA, um método que agiliza o acesso a um medicamento quando se acredita que ele tenha um benefício clínico, com base em seu impacto em biomarcadores ligados a uma doença.

As farmacêuticas revelaram que o remédio deve ser lançado a um preço anual de US$ 26,5 mil. Além disso, a ideia é pedir autorização para o Legembi no Japão e na União Europeia até 31 de março. A estimativa é que a aprovação da autoridade japonesa aconteça no máximo até o fim do ano.

FDA, órgão de saúde dos EUA, aprova remédio para Alzheimer (Imagem: puhimec/envato)
FDA, órgão de saúde dos EUA, aprova remédio para Alzheimer (Imagem: puhimec/envato)

A Eisai também levanta a projeção de que, em um período de apenas três anos, o número de pacientes nos EUA elegíveis para o remédio pode chegar a cerca de 100 mil. Considerando um aumento a cada ano, esse número pode chegar a cerca de 2,5 milhões até 2030.

As atuais restrições de cobertura para medicamentos aprovados pelo caminho acelerado podem ser reconsideradas com base em sua revisão contínua das informações disponíveis Se o medicamento receber a aprovação tradicional da FDA, pode alcançar uma cobertura mais ampla.

Além do Lecanemab, pesquisadores vêm estudando um possível tratamento para o Alzheimer: gemfibrozila (especialmente indicado para reduzir o colesterol) e o ácido retinoico, também conhecido como tretinoína, um derivado da vitamina A (usado para tratar várias doenças, desde acne até psoríase, uma doença autoimune).

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: