Mercado fechado
  • BOVESPA

    105.069,69
    +603,45 (+0,58%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.597,29
    -330,09 (-0,65%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,22
    -0,28 (-0,42%)
     
  • OURO

    1.782,10
    +21,40 (+1,22%)
     
  • BTC-USD

    48.944,73
    -4.134,31 (-7,79%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.367,14
    -74,62 (-5,18%)
     
  • S&P500

    4.538,43
    -38,67 (-0,84%)
     
  • DOW JONES

    34.580,08
    -59,71 (-0,17%)
     
  • FTSE

    7.122,32
    -6,89 (-0,10%)
     
  • HANG SENG

    23.766,69
    -22,24 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    28.029,57
    +276,20 (+1,00%)
     
  • NASDAQ

    15.687,50
    -301,00 (-1,88%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3953
    +0,0151 (+0,24%)
     

Le Postiche aprova plano de recuperação judicial com credores e espera volta às aulas para salvar vendas

·1 min de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Os credores rede de lojas de bolsas e malas Le Postiche aprovaram o plano de recuperação judicial da empresa, que ingressou no processo em maio depois do baque da pandemia.

Segundo Luís Alberto Paiva, presidente da Corporate Consulting, que assessora a varejista na recuperação judicial, o plano foi aprovado por 82% dos credores. A dívida da Le Postiche gira em torno de R$ 64 milhões.

Paiva afirma que os funcionários da rede vão receber os salários em até um ano a partir da data de homologação do plano, com parcelas iguais de pagamentos. Parte dos fornecedores terá um ano de carência, pagamentos em parcelas fixas durante dois anos e um prazo de 15 anos para ter as dívidas liquidadas, com deságio de até 70%.

"Nos shoppings, renegociamos os contratos futuros com a possibilidade de menor custo", diz o executivo.

Segundo Paiva, a Le Postiche passou a pagar seus compromissos de forma regular em abril deste ano, e agora está trabalhando com cerca de 80% do volume de vendas que tinha em 2019, antes da pandemia.

"A expectativa é que 2022 volte com um volume alto na volta às aulas", disse Paiva. Ele afirma que a empresa também busca fornecedores nacionais porque o custo da importação de malas subiu. O problema, segundo Paiva, é que o material sintético usado para fazer as mochilas também costuma vir de fora do Brasil.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos