Mercado fechará em 5 h 39 min
  • BOVESPA

    125.839,95
    +1.227,92 (+0,99%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.992,27
    +81,74 (+0,16%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,02
    +0,37 (+0,52%)
     
  • OURO

    1.795,40
    -4,40 (-0,24%)
     
  • BTC-USD

    39.786,55
    +1.891,91 (+4,99%)
     
  • CMC Crypto 200

    932,18
    +2,25 (+0,24%)
     
  • S&P500

    4.402,32
    +0,86 (+0,02%)
     
  • DOW JONES

    34.960,98
    -97,54 (-0,28%)
     
  • FTSE

    7.020,04
    +23,96 (+0,34%)
     
  • HANG SENG

    25.473,88
    +387,45 (+1,54%)
     
  • NIKKEI

    27.581,66
    -388,56 (-1,39%)
     
  • NASDAQ

    15.008,75
    +61,00 (+0,41%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,0648
    -0,0436 (-0,71%)
     

Lavagem verde é séria questão em investimento, diz Hunt, da PGIM

·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- Um dos maiores gestores de ativos do mundo está citando a lavagem verde como um “grande problema” em meio ao crescimento desenfreado de falsas alegações sobre a sustentabilidade dos produtos de investimento.

“Há muito marketing em torno do ESG agora”, disse David Hunt, que supervisiona US$ 1,5 trilhão como diretor executivo da PGIM, em entrevista à Bloomberg Television na quinta-feira. “É um grande problema.”

Os fluxos para fundos sustentáveis atingiram outro recorde no primeiro trimestre, dobrando em relação ao ano anterior para US$ 21,5 bilhões, de acordo com a Morningstar, empresa americana independente provedora de dados e análise de investimentos. Enquanto a demanda por investimentos com um componente ambiental, social e de governança está crescendo, também aumenta o risco de que investidores sejam enganados.

Alguns fundos são renomeados como “verdes” sem nenhuma mudança na estratégia de investimento ou seleção de títulos. Outros abrem exceções às suas próprias regras para aumentar os rendimentos.

Tariq Fancy, o ex-chefe de investimentos sustentáveis da BlackRock, vê o abraço ESG da indústria de gestão de ativos como um esforço cínico para lucrar com a consciência ambiental e o desejo pelo bem social. Seu ex-chefe, o CEO da BlackRock, Larry Fink, disse recentemente que as pressões do ESG sobre as empresas públicas estão levando-as a vender “ativos sujos” a compradores privados que recebem pouco ou nenhum escrutínio.

Hunt pediu aos investidores que verifiquem as reivindicações que os gestores de ativos estão fazendo quanto à conformidade ESG e rejeitem qualquer produto que simplesmente envolva uma tela ou sobreposição, como a eliminação de produtores de combustível fóssil de uma cesta de ações. Todas as ação e títulos pertencentes às carteiras da PGIM têm classificação ESG, disse ele.

“Se você não começar com uma base sólida de integração em seu processo de investimento, estará apenas em uma campanha de marketing”, disse Hunt.

A PGIM, com sede em Newark, New Jersey, é o braço de gestão de ativos da Prudential Financial.

More stories like this are available on bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos