Mercado fechado
  • BOVESPA

    129.513,62
    +1.085,64 (+0,85%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.558,32
    +387,54 (+0,77%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,33
    +0,25 (+0,34%)
     
  • OURO

    1.775,10
    -8,30 (-0,47%)
     
  • BTC-USD

    34.788,35
    +1.516,70 (+4,56%)
     
  • CMC Crypto 200

    836,32
    +49,70 (+6,32%)
     
  • S&P500

    4.266,49
    +24,65 (+0,58%)
     
  • DOW JONES

    34.196,82
    +322,58 (+0,95%)
     
  • FTSE

    7.109,97
    +35,91 (+0,51%)
     
  • HANG SENG

    28.882,46
    +65,39 (+0,23%)
     
  • NIKKEI

    28.875,23
    +0,34 (+0,00%)
     
  • NASDAQ

    14.359,00
    +96,00 (+0,67%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,8622
    -0,0663 (-1,12%)
     

Lateral Marcinho vira réu em caso de atropelamento que deixou dois mortos

·1 minuto de leitura


O lateral-direito do Athletico Paranaense Marcinho virou réu no caso do atropelamento que matou os professores Maria Cristina José Soares e Alexandre Silva de Lima em dezembro de 2020. O atleta responderá pelos crimes de homicídio culposo (quando não há intenção de matar) com agravante da ausência de prestação de socorro às vítimas. O jogador pode ser condenado à pena de dois a quatro anos de prisão.

> Confira a classificação do Campeonato Paranaense e simule os jogos!

Nesta quinta-feira, o Ministério Público do Rio de janeiro recusou o pedido da defesa de Marcinho por um Acordo de Não Persecução Penal - para que ele não virasse réu. A oferta era para que o processo fosse arquivado junto a uma confissão do atleta e ele pagaria indenizações para pelos crimes.

O lateral foi denunciado pelo Ministério Público do Rio de Janeiro em fevereiro deste ano, após um inquérito policial relatar que o carro de Marcinho estava em uma velocidade acima da permitida na rua e que ele teria bebido cerca de cinco chopes antes das fatalidades.

Especialistas do direito penal, contudo, afirmam que Marcinho não deve ser preso. Em sua defesa, o lateral afirmou que não prestou socorro às vítimas por ter medo de "ser linchado" por pessoas do local. O advogado do caso questionou a defesa do atleta.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos