Mercado fechará em 5 h 51 min
  • BOVESPA

    111.267,01
    -272,79 (-0,24%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.682,19
    +897,61 (+2,00%)
     
  • PETROLEO CRU

    60,90
    +1,15 (+1,92%)
     
  • OURO

    1.710,30
    -23,30 (-1,34%)
     
  • BTC-USD

    51.222,58
    +2.246,87 (+4,59%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.022,34
    +34,24 (+3,47%)
     
  • S&P500

    3.870,29
    -31,53 (-0,81%)
     
  • DOW JONES

    31.391,52
    -143,99 (-0,46%)
     
  • FTSE

    6.632,03
    +18,28 (+0,28%)
     
  • HANG SENG

    29.880,42
    +784,56 (+2,70%)
     
  • NIKKEI

    29.559,10
    +150,93 (+0,51%)
     
  • NASDAQ

    13.000,25
    -55,00 (-0,42%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,9100
    +0,0479 (+0,70%)
     

Latam propõe redução salarial por 12 meses em negociação com tripulantes

FERNANDA BRIGATTI
·2 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Em meio a uma negociação que já dura seis meses, a empresa aérea Latam Brasil desistiu da redução permanente nos salários de seus tripulantes. Na semana passada, segundo o SNA (Sindicato Nacional dos Aeronautas), a Latam retirou a proposta de redução permanente e a substituiu por um corte temporário nos valores fixos e variáveis que compõem os salários. As mudanças na base de cálculo das remunerações de pilotos, copilotos e comissários foram propostas pela empresa no ano passado e, em uma primeira rodada de negociações, em julho, foram recusadas pelos trabalhadores. Em outubro, porém, os tripulantes autorizaram o SNA a negociar uma proposta de redução com a empresa. A proposta feita agora prevê um novo cálculo das partes que compõem a remuneração, de modo que as reduções ficarão entre 12,5% no salário líquido anual de copilotos e entre 7,3% e 8,7% para comissários. Esses últimos teriam abatimento apenas nas verbas variáveis. No caso dos pilotos, a percepção líquida da redução será de 12%. A proposta da Latam também prevê um período de 12 meses de estabilidade para os tripulantes com contratos ativos. Em transmissão realizada na quarta (27), o presidente do SNA, Ondino Dutra, disse que a empresa também incluiu na nova proposta a suspensão na equiparação salarial de tripulantes contratados a partir de fevereiro. Segundo ele, a empresa quer a flexibilização de uma cláusula da atual convenção coletiva que prevê o mesmo salários para novos contratados. Caso a proposta da Latam seja aprovada pelos tripulantes, os novos contratados terão garantido apenas o piso da categoria, mas não o da empresa. Na quinta (28), a Latam encaminhou ao sindicato as minutas com as novas propostas de acordo. Segundo o SNA, o termos serão agora analisados para depois serem colocados em votação em assembleia. A Latam Brasil anunciou em julho o pedido de recuperação judicial nos Estados Unidos. Em maio, o grupo Latam já havia feito o mesmo, mas, na época, não havia incluídos as filiais argentina, brasileira e paraguaia. Em todo o mundo, a redução brusca de viagens durante a pandemia deixou um rombo no caixa das empresas. No início da crise, a Latam Brasil era a companhia com mais voos internacionais. O grupo acumula dívidas de quase US$ 18 bilhões (R$ 98,2 bilhões).