Mercado fechará em 1 h 45 min
  • BOVESPA

    111.520,76
    +611,15 (+0,55%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.664,57
    +490,51 (+0,98%)
     
  • PETROLEO CRU

    80,28
    +2,08 (+2,66%)
     
  • OURO

    1.766,20
    +2,50 (+0,14%)
     
  • BTC-USD

    16.856,83
    +439,20 (+2,68%)
     
  • CMC Crypto 200

    400,44
    -0,26 (-0,07%)
     
  • S&P500

    3.949,67
    -7,96 (-0,20%)
     
  • DOW JONES

    33.672,79
    -179,74 (-0,53%)
     
  • FTSE

    7.573,05
    +61,05 (+0,81%)
     
  • HANG SENG

    18.597,23
    +392,55 (+2,16%)
     
  • NIKKEI

    27.968,99
    -58,85 (-0,21%)
     
  • NASDAQ

    11.564,00
    +39,25 (+0,34%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4312
    -0,0254 (-0,47%)
     

Lane defende aumentos menores dos juros pelo BCE à frente, segundo MNI

Philip Lane, economista-chefe do BCE

FRANKFURT (Reuters) - O Banco Central Europeu elevará os juros novamente em dezembro e no próximo ano para conter a inflação, mas esses aumentos podem ser menores do que os mais recentes, disse o economista-chefe do banco, Philip Lane, em entrevista publicada nesta segunda-feira.

Com a taxa de inflação em dois dígitos, o BCE elevou os juros em 200 pontos-base em apenas três meses a partir de mínimas recordes, e deve enxugar parte dos trilhões de euros injetados no sistema financeiro nos últimos anos.

Lane sugeriu que o próximo aumento de juros será menor do que as altas recordes de 75 pontos-base implementadas nas duas últimas reuniões do BCE, mas não será o último.

"Uma plataforma para considerar uma alta muito grande, como 75 pontos, não existe mais", disse Lane, segundo o MNI. "Quanto mais você já fez em uma base cumulativa, isso muda as vantagens e as desvantagens de qualquer incremento."

Ele disse que o BCE não está prestes a interromper seu ciclo de alta, mas "irá agir no momento apropriado para incrementos menores" e reduzirá sua carteira de títulos, a parte principal de sua política de estímulo da última década, de uma maneira "mais mecânica".

"Não acho que estaremos interconectando reunião por reunião a decisão sobre a taxa de juros com o ritmo (dos reinvestimentos de títulos) nos próximos dois meses", disse Lane. "Deve ser provavelmente mais mecânico do que isso."

Ele indicou uma inflação mais alta no próximo ano do que o BCE esperava em setembro, à luz dos preços de energia mais elevados e déficits governamentais, e disse ainda que as perspectivas para 2024 e 2025 são mais mistas.

"Para esses anos, a previsão terá que equilibrar o fato de que a inflação tem um efeito indireto, por exemplo, no mecanismo salarial", disse Lane. "Mas, por outro lado, temos o fato de que as condições financeiras são muito diferentes do que tínhamos na previsão de setembro."

(Reportagem de Balazs Koranyi)