Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.451,20
    +74,85 (+0,07%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.442,21
    +436,10 (+0,97%)
     
  • PETROLEO CRU

    82,19
    +0,04 (+0,05%)
     
  • OURO

    1.666,40
    -3,60 (-0,22%)
     
  • BTC-USD

    19.508,90
    +466,71 (+2,45%)
     
  • CMC Crypto 200

    445,93
    +17,14 (+4,00%)
     
  • S&P500

    3.719,04
    +71,75 (+1,97%)
     
  • DOW JONES

    29.683,74
    +548,75 (+1,88%)
     
  • FTSE

    7.005,39
    +20,80 (+0,30%)
     
  • HANG SENG

    17.250,88
    0,00 (0,00%)
     
  • NIKKEI

    26.383,72
    +209,74 (+0,80%)
     
  • NASDAQ

    11.534,00
    -21,75 (-0,19%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2116
    -0,0210 (-0,40%)
     

Lane, do BCE, diz que energia ainda é principal influência para a inflação

Philip Lane, economista-chefe do BCE

FRANKFURT (Reuters) - Os preços mais altos da energia continuam sendo uma "força motriz dominante da inflação" na zona do euro, encarecendo as importações, disse o economista-chefe do Banco Central Europeu (BCE) nesta quarta-feira.

"Está claro que a política monetária apropriada para a zona do euro deve continuar levando em conta que o choque de energia continua sendo uma força motriz dominante da inflação", disse ele em reunião do BCE com representantes de bancos.

Ele repetiu, no entanto, a promessa do BCE de continuar elevando as taxas de juros, acrescentando que os incrementos "serão maiores, quanto maior a diferença para a taxa terminal e mais enviesados os riscos para a meta de inflação".

(Por Francesco Canepa)