Mercado fechado

Lançamento da missão Artemis I é adiado devido à tempestade Nicole

A NASA decidiu adiar o lançamento da missão Artemis I para o dia 16 de novembro em função da tempestade tropical Nicole, que está evoluindo para se tornar um furacão de categoria I. Em um comunicado publicado nesta terça-feira (8), a agência espacial afirma que a nova data irá permitir que os funcionários se dediquem às suas famílias no momento, garantindo também tempo logístico suficiente para retomar os preparativos para o lançamento assim que as condições melhorarem.

Originalmente, o lançamento estava programado para acontecer no dia 14 de novembro, no Centro Espacial Kennedy, na Flórida; com a nova data, a janela de lançamentos de duas horas se abrirá às 03h04 (horário de Brasília) do dia 16. Se a missão for lançada naquele dia, ela deverá ser concluída no dia 11 de dezembro. Caso seja necessário, a NASA tem também uma oportunidade de lançamento de reserva no dia 19 de novembro.

No momento, o centro está no nível III da chamada “Condição de Furacão”, uma escala de alerta que determina os preparativos para a aproximação de alguma tempestade perigosa. O status indica, então, a necessidade de preparar a segurança das instalações, propriedades e equipamentos ali. O protocolo de preparação da NASA para furacões inclui também uma equipe que seguirá em um local seguro no Centro, para monitorar o hardware da missão.

O foguete Space Launch System (SLS) que lançará a cápsula Orion sem tripulação com destino à Lua na missão Artemis I, já está posicionado na plataforma de lançamentos com a nave, e ambos devem ser mantidos ali. “Com base nas condições meteorológicas esperadas e a opção de levá-los de volta antes da tempestade, a NASA determinou no domingo que a opção mais segura é manter o SLS e a Orion prontos na plataforma”, afirmou a agência espacial.

O SLS foi projetado para resistir a ventos de até 136 km/h a 18 m de altitude, e as previsões meteorológicas atuais mostram que os ventos mais fortes na região da plataforma não devem exceder os limites do foguete. Mesmo assim, as equipes da NASA desativaram a energia da cápsula e dos estágios centrais e de propulsão do veículo, além de seus propulsores.

Os engenheiros instalaram uma cobertura rígida na janela do sistema de aborto da missão e recuaram o braço de acesso da tripulação, entre outros procedimentos. Eles devem retomar o trabalho assim que as condições do Centro permitirem, e planejam avaliar a situação do foguete e da nave quanto antes.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: