Mercado fechado
  • BOVESPA

    105.069,69
    +603,45 (+0,58%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.597,29
    -330,11 (-0,65%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,22
    -0,28 (-0,42%)
     
  • OURO

    1.782,10
    +21,40 (+1,22%)
     
  • BTC-USD

    49.321,31
    +948,94 (+1,96%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.367,14
    -74,62 (-5,18%)
     
  • S&P500

    4.538,43
    -38,67 (-0,84%)
     
  • DOW JONES

    34.580,08
    -59,71 (-0,17%)
     
  • FTSE

    7.122,32
    -6,89 (-0,10%)
     
  • HANG SENG

    23.766,69
    -22,24 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    28.029,57
    +276,20 (+1,00%)
     
  • NASDAQ

    15.687,50
    -301,00 (-1,88%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3953
    +0,0151 (+0,24%)
     

Lagartas também contribuem com o aquecimento global; entenda o motivo

·2 min de leitura

Além das causas já conhecidas que colaboram para as mudanças climáticas, como os gases de gado criado para consumo e atividades humanas, como carros e indústrias, outro fator pode estar contribuindo para esse mal: as lagartas. De acordo com um novo estudo, a lagarta da mariposa-cigana (Lymantria dispar) e a lagarta de tenda (Malacosoma americanum) contribuem para as emissões de carbono na atmosfera por liberarem nas águas resíduos ricos em nitrogênio.

Esses dois tipos de lagartas, como diz o estudo, comem folhas de árvores coníferas e decíduas. Durante o processo de mastigação, as folhas são trituradas e os insetos absorvem o nitrogênio que, sem uso para seu pequeno organismo, vira excremento e chega nos lagos. Então, a substância estimula o crescimento de bactérias que emitem dióxido de carbono na atmosfera. Já o carbono expelido nas águas vira alimento de algas.

<em>Imagem: Reprodução/Fokrul Bhuiyan/Pexels</em>
Imagem: Reprodução/Fokrul Bhuiyan/Pexels

Ao longo de 32 anos, Andre Tanentzap, um dos autores do estudo, conta que viu uma redução de até 30% nos níveis de carbono em lagos durante surtos de insetos, além de um aumento de mais de 100% no nitrogênio. O pesquisador explica que surtos de insetos acontecem quando mais de 50% de uma área é desfolhada, o que hoje em dia acontece a cada cinco anos.

Tanentzap diz que ainda é preciso avaliar de forma mais detalhada a quantidade de carbono que pode ser emitida na atmosfera, e o que pode ser feito para combater essa emissão excessiva. O uso de pesticidas pode ajudar a controlar as lagartas, mas o produto por si só também é nocivo ao meio-ambiente. O pesquisador ressalta que o estudo é mais como uma parte da resposta às mudanças climáticas que estamos enfrentando do que um alarme.

O estudo completo está disponível neste link.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos