Mercado fechado
  • BOVESPA

    122.038,11
    +2.117,11 (+1,77%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.249,02
    +314,12 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,46
    +0,56 (+0,86%)
     
  • OURO

    1.833,80
    +2,50 (+0,14%)
     
  • BTC-USD

    58.174,83
    -577,75 (-0,98%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.480,07
    +44,29 (+3,08%)
     
  • S&P500

    4.232,60
    +30,98 (+0,74%)
     
  • DOW JONES

    34.777,76
    +229,26 (+0,66%)
     
  • FTSE

    7.129,71
    +53,54 (+0,76%)
     
  • HANG SENG

    28.610,65
    -26,85 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    29.357,82
    +26,42 (+0,09%)
     
  • NASDAQ

    13.733,00
    +23,25 (+0,17%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3647
    -0,0019 (-0,03%)
     

Lagarde, do BCE, vê recuperação rápida à medida que vacinações aceleram

·1 minuto de leitura
Presidente do Banco Central Europeu, Christine Lagarde

FRANKFURT (Reuters) - A economia da zona do euro deve crescer rapidamente no segundo semestre do ano com o aumento da distribuição de vacinas contra o coronavírus e a volta da vida ao normal, disse a presidente do Banco Central Europeu, Christine Lagarde, nesta quarta-feira.

Menos de um quarto da população do bloco recebeu sua primeira dose da vacina até agora e grande parte da Europa ainda está em um lockdown econômico, pois a campanha de imunização está progredindo de forma lenta.

Mas os gargalos no fornecimento de vacinas devem diminuir nos próximos meses e a questão principal será se os governos poderão superar o desafio logístico de distribuir as vacinas tão rápido quanto elas chegam.

"Ao que tudo indica, parece que (até) o final de junho, cerca de 70% da população deve ser vacinada pelo menos com a primeira dose", disse Lagarde em um evento online do Fórum de Segurança de Aspen.

Alguns analistas privados estão menos otimistas, mas há amplo consenso de que 70% da população adulta da zona do euro pode ser totalmente vacinada até o final do verão no Hemisfério Norte, se os obstáculos logísticos forem superados.

Lagarde acrescentou que, embora a terceira onda da pandemia represente riscos negativos para o crescimento no curto prazo, as vacinas são a "luz no fim do túnel", portanto não há razão para desistir das projeções do BCE de crescimento de 4% no ano inteiro.

(Por Balazs Koranyi)