Mercado fechado
  • BOVESPA

    101.259,75
    -657,98 (-0,65%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    38.707,72
    +55,53 (+0,14%)
     
  • PETROLEO CRU

    39,78
    -0,86 (-2,12%)
     
  • OURO

    1.903,40
    -1,20 (-0,06%)
     
  • BTC-USD

    12.968,42
    +71,83 (+0,56%)
     
  • CMC Crypto 200

    260,05
    -1,40 (-0,54%)
     
  • S&P500

    3.465,39
    +11,90 (+0,34%)
     
  • DOW JONES

    28.335,57
    -28,09 (-0,10%)
     
  • FTSE

    5.860,28
    +74,63 (+1,29%)
     
  • HANG SENG

    24.918,78
    +132,65 (+0,54%)
     
  • NIKKEI

    23.516,59
    +42,32 (+0,18%)
     
  • NASDAQ

    11.669,25
    +19,50 (+0,17%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6639
    +0,0538 (+0,81%)
     

Lagarde alerta para impacto de medidas de contenção da Covid

Carolynn Look e Piotr Skolimowski
·2 minutos de leitura

(Bloomberg) -- A presidente do Banco Central Europeu, Christine Lagarde, alertou que as medidas para conter a propagação do coronavírus representam um risco claro para a recuperação econômica da região. Ela pediu aos governos que não suspendam o apoio fiscal muito cedo.

“Embora tenhamos visto uma recuperação no final da primavera, início do verão, agora tememos que as medidas de contenção que devem ser tomadas pelas autoridades tenham um impacto”, disse Lagarde em entrevista gravada na quinta-feira passada e divulgada na terça-feira em evento online organizado pelo Wall Street Journal.

“Em vez do formato em V que todos nós desejamos e esperamos, tememos que possa ter um segundo braço do V”, acrescentou, observando que a situação agora se mostra particularmente grave na França e na Espanha.

A ressurgência do coronavírus ameaça o prolongamento da turbulência econômica causada pela pandemia. Embora autoridades do BCE tenham começado a revelar suas posições sobre se a instituição deve injetar mais estímulo monetário, também insistem que os governos devem fazer sua parte.

Gabriel Makhlouf, membro do conselho do BCE, disse na terça-feira que a instituição deu uma “contribuição muito grande”, mas “a política fiscal é absolutamente o principal ator nestas circunstâncias particulares”, disse em entrevista à CNBC.

Lagarde destacou a importância da cooperação entre governos e bancos centrais.

A presidente do BCE disse que, neste momento, é essencial que as “políticas fiscais e monetárias trabalhem lado a lado e garantam que não tenhamos esse tipo de efeito precipício que teríamos se as medidas fossem retiradas muito rapidamente”, afirmou. “Isso é o que mais me preocupa no momento.”

O presidente do Banco da Espanha, Pablo Hernández de Cos, ecoou essa visão na terça-feira e disse a parlamentares em Madri que a retirada antecipada das medidas fiscais na Espanha e na zona do euro teria um impacto negativo que “excederia o custo potencial de manter as medidas até que a recuperação mostrasse força suficiente”.

A maioria dos economistas prevê que o programa de compra de títulos de emergência de 1,35 trilhão de euros (US$ 1,6 trilhão) do BCE será expandido neste ano, provavelmente em dezembro, quando novas previsões econômicas forem publicadas.

Lagarde reiterou que o banco central está preparado para usar todas as ferramentas caso seja necessário. Ela também disse que as autoridades estão “muito atentas” à taxa de câmbio. O salto do euro neste ano pesou sobre a inflação ao diminuir os custos de importação.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2020 Bloomberg L.P.