Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.035,17
    -2.221,19 (-1,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.592,91
    +282,64 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,66
    -1,87 (-2,94%)
     
  • OURO

    1.733,00
    -42,40 (-2,39%)
     
  • BTC-USD

    46.291,07
    +25,62 (+0,06%)
     
  • CMC Crypto 200

    912,88
    -20,25 (-2,17%)
     
  • S&P500

    3.811,15
    -18,19 (-0,48%)
     
  • DOW JONES

    30.932,37
    -469,64 (-1,50%)
     
  • FTSE

    6.483,43
    -168,53 (-2,53%)
     
  • HANG SENG

    28.980,21
    -1.093,96 (-3,64%)
     
  • NIKKEI

    28.966,01
    -1.202,26 (-3,99%)
     
  • NASDAQ

    12.905,75
    +74,00 (+0,58%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7583
    +0,0194 (+0,29%)
     

Laboratórios GSK e CureVac trabalharão em vacina contra variantes da covid-19

·1 minuto de leitura
Os laboratórios GSK e CureVac trabalharão em conjunto para desenvolver até 2022 uma vacina baseada na tecnologia do RNA mensageiro contra as novas variantes do coronavírus

Os laboratórios farmacêuticos britânico GSK e alemão CureVac anunciaram nesta quarta-feira que trabalharão em conjunto para desenvolver até 2022 uma vacina baseada na tecnologia do RNA mensageiro contra as novas variantes do coronavírus.

"O programa de desenvolvimento começará imediatamente, com o objetivo de introduzir a vacina em 2022", afirma um comunicado divulgado pelas empresas.

A GSK destacou que ajudará ainda este ano na produção da primeira vacina desenvolvida pela CureVac, que atualmente está na fase 3 de testes clínicos.

O laboratório britânico, que em julho adquiriu 10% da CureVac, indicou que produzirá até 100 milhões de doses desta primeira vacina.

O acordo estipula que a GSK aportará 150 milhões de euros (181 milhões de dólares) à 'start-up' alemã para ter os direitos da nova vacina em todos os países, exceto Alemanha, Áustria e Suíça.

A colaboração entre as empresas pretende desenvolver vacinas contra a covid-19 de próxima geração "com o potencial de um enfoque polivalente para abordar múltiplas variantes emergentes em uma vacina", afirma o comunicado.

"O aumento de variantes emergentes com o potencial de reduzir a eficácia das vacinas contra a covid-19 de primeira geração requer uma aceleração dos esforços para desenvolver vacinas contra novas variantes para permanecer um passo à frente da pandemia", completa o texto.

A diretora executiva da GSK, Emma Walmsley, afirmou que as "vacinas da próxima geração serão cruciais na luta continua contra a covid-19".

"Estamos muito felizes de desenvolver nossa relação existente com a GSK com um novo acordo", declarou o diretor executivo da CureVac, Franz-Werner Haas.

bcp/bmm/zm/tjc/fp