Mercado abrirá em 22 mins
  • BOVESPA

    111.539,80
    +1.204,97 (+1,09%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.682,19
    +897,61 (+2,00%)
     
  • PETROLEO CRU

    60,69
    +0,94 (+1,57%)
     
  • OURO

    1.722,50
    -11,10 (-0,64%)
     
  • BTC-USD

    51.757,77
    +2.835,81 (+5,80%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.033,49
    +45,39 (+4,59%)
     
  • S&P500

    3.870,29
    -31,53 (-0,81%)
     
  • DOW JONES

    31.391,52
    -143,99 (-0,46%)
     
  • FTSE

    6.668,19
    +54,44 (+0,82%)
     
  • HANG SENG

    29.880,42
    +784,56 (+2,70%)
     
  • NIKKEI

    29.559,10
    +150,93 (+0,51%)
     
  • NASDAQ

    13.125,00
    +69,75 (+0,53%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,8784
    +0,0163 (+0,24%)
     

Laboratório russo Vektor pesquisa vírus pré-históricos

·1 minuto de leitura
Este estudo também planeja analisar tecidos de mamutes, alces, cachorros, perdizes, diferentes roedores e lebres

O laboratório estatal russo Vektor anunciou, nesta terça-feira (16), que embarcou em uma busca de vírus que datam do período Paleolítico, pesquisando a partir de tecidos de animais dessa época conservados em gelo.

"Os funcionários do centro de pesquisa Vektor desejam encontrar 'paleovírus' que permitiriam começar o desenvolvimento da paleovirologia na Rússia, realizando pesquisas de vanguarda no terreno da evolução dos vírus", informou o laboratório em um comunicado, esclarecendo que este projeto é realizado em colaboração com a Universidade de Yakutsk, na Sibéria.

De acordo com o Vektor, este estudo "possibilitaria avaliar a diversidade de microorganismos, cujo DNA e RNA poderiam ainda ser conservados no material de análise estudado". E também "permitirá determinar o potencial epidemiológico dos agentes infecciosos atualmente existentes", de acordo com a mesma fonte.

Os primeiros tecidos foram extraídos de um cavalo pré-histórico, de quase 6.500 anos, descoberto em 2009 em Yakutia, uma grande região siberiana onde se encontram frequentemente restos de animais do Paleolítico, inclusive mamutes.

Este estudo também planeja analisar tecidos de mamutes, alces, cachorros, perdizes, diferentes roedores e lebres.

pop/mba/age/mb/aa