Mercado fechado
  • BOVESPA

    122.979,96
    +42,09 (+0,03%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.789,31
    +417,33 (+0,85%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,89
    -0,60 (-0,92%)
     
  • OURO

    1.867,50
    -0,50 (-0,03%)
     
  • BTC-USD

    41.305,44
    -3.608,17 (-8,03%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.157,56
    -95,58 (-7,63%)
     
  • S&P500

    4.127,83
    -35,46 (-0,85%)
     
  • DOW JONES

    34.060,66
    -267,13 (-0,78%)
     
  • FTSE

    7.034,24
    +1,39 (+0,02%)
     
  • HANG SENG

    28.593,81
    +399,72 (+1,42%)
     
  • NIKKEI

    28.173,65
    -233,19 (-0,82%)
     
  • NASDAQ

    13.199,75
    -12,25 (-0,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4305
    +0,0004 (+0,01%)
     

Laboratório Moderna, pioneiro da vacina anticovid, acelera produção para manter o espaço

Mehdi CHERIFIA, Julien DURY
·3 minuto de leitura
Frascos da vacina do laboratório Moderna

O laboratório Moderna, pioneiro nas vacinas contra a covid-19, está acelerando o ritmo de produção para manter o seu espaço na luta contra a pandemia, mas permanece à sombra das concorrentes Pfizer e BioNTech.

A Moderna, cuja vacina foi uma das primeiras aprovadas no mundo ocidental há alguns meses, anunciou nesta quinta-feira (29) que planeja aumentar sua capacidade de produção mundial a três bilhões de doses em 2022.

A quantidade é aproximadamente o dobro do que havia planejado e a empresa também pretende acelerar o ritmo este ano. O grupo, que esperava produzir no máximo 600 milhões de doses em 2021, agora acredita que pode alcançar um bilhão.

As ambições representam uma boa notícia na luta contra a pandemia. Também permitem a Moderna defender sua posição, no momento em que aumentam os projetos de vacinas contra a covid-19 e se espera que vários testes apresentem resultados nos próximos meses.

O caso da empresa é parecido com o de outra vacina, desenvolvida em conjunto pela gigante americana Pfizer e a start-up alemã BioNTech. Assim como a da Moderna, este fármaco é baseado em uma tecnologia inovadora e de êxito inesperado, RNA mensageiro.

As duas vacinas foram as primeiras a registrar resultados positivos contra a covid-19, no fim de 2020, junto com a russa Sputnik V. Pouco depois, as autoridades europeias e americanas aprovaram as vacinas da Pfizer/BioNTech e Moderna.

- Pilar contra a covid -

Mas há algo que distingue as empresas: o número de vacinas distribuídas. Enquanto a Moderna é um pilar da vacina contra a covid-19 nos Estados Unidos, seu país de origem, fica muito atrás nas campanhas europeias, dominadas pela Pfizer/BioNtech.

E é justamente fora dos Estados Unidos que a Moderna promete acelerar o ritmo. A empresa investirá em terceirizadas europeias, a suíça Lonza, que produz o princípio ativo - a substância que faz a vacina funcionar - e a espanhola Rovi, responsável por envasar o fármaco.

Com estas colaborações, a Moderna consegue uma solução para seu principal obstáculo, o modelo de start-up isolada, em contraste com a BioNTech, que se beneficia de sua associação com as grandes capacidades da Pfizer e já prometeu 2,5 bilhões de doses este ano.

A Moderna precisa terceirizar sua produção e não é fácil encontrar sócios como o grupo Lonza, que tem conhecimento da tecnologia de RNA mensageiro. Ao investir neste campo, a empresa americana consegue recursos para atuar com mais eficácia.

Ao mesmo tempo, a Moderna acaba de assinar um acordo com o grupo Sanofi para envasar centenas de milhões de vacinas. A empresa francesa havia assinado há alguns meses uma associação similar com a Pfizer/BioNTech.

A Moderna também está atrás da rival no armazenamento de vacinas, o ponto frágil do RNA mensageiro, por normalmente exigir temperaturas extremamente baixas.

Neste sentido, a empresa promete desenvolver até meados do ano uma vacina que possa ser armazenada durante vários meses a uma temperatura de entre 2°C e 8°C, um anúncio similar ao feito há alguns dias à AFP pelo CEO da Pfizer, Albert Bourla.

jdy/ak/spi/pc/me/fp