Mercado abrirá em 2 h 2 min
  • BOVESPA

    110.334,83
    +299,66 (+0,27%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.784,58
    +191,67 (+0,43%)
     
  • PETROLEO CRU

    60,61
    -0,03 (-0,05%)
     
  • OURO

    1.728,40
    +5,40 (+0,31%)
     
  • BTC-USD

    48.810,73
    +1.467,84 (+3,10%)
     
  • CMC Crypto 200

    981,38
    -5,27 (-0,53%)
     
  • S&P500

    3.901,82
    +90,67 (+2,38%)
     
  • DOW JONES

    31.535,51
    +603,14 (+1,95%)
     
  • FTSE

    6.625,29
    +36,76 (+0,56%)
     
  • HANG SENG

    29.095,86
    -356,71 (-1,21%)
     
  • NIKKEI

    29.408,17
    -255,33 (-0,86%)
     
  • NASDAQ

    13.233,00
    -46,75 (-0,35%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7721
    -0,0235 (-0,35%)
     

Laboratório apresentará novos documentos para Anvisa sobre vacina Sputnik

Paula Ferreira
·1 minuto de leitura

BRASÍLIA - Nesta sexta-feira, o laboratório União Química deve apresentar novos documentos à Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) sobre a vacina Sputnik, que está desenvolvendo no Brasil, para conseguir a liberação do uso emergencial do imunizante.

Rogério Rosso, diretor de negócios internacionais da União Química, disse que a empresa estava aguardando uma reunião nesta quinta-feira para enviar os documentos solicitados pela agência.

— A reunião foi muito positiva e amanhã daremos continuidade e apresentaremos novos documentos complementares do pedido emergencial realizado em 15 de janeiro de 2021 — afirmou Rosso.

"Anvisa realizou nesta quinta-feira (21/1) reunião com o laboratório União Química, responsável pela vacina Sputnik no Brasil. O objetivo foi acompanhar e trocar informações com o laboratório sobre o desenvolvimento da vacina", divulgou a agência na noite desta quinta-feira.

No último sábado, a Anvisa devolveu o pedido da farmacêutica por não atender a "requisitos mínimos" da agência. Na ocasião a Anvisa afirmou que o pedido foi restituído pela falta de autorização para a condução dos ensaios clínicos fase 3, a condução em andamento no país desses estudos e questões relativas às boas práticas de fabricação.