Mercado fechado
  • BOVESPA

    99.605,54
    -1.411,42 (-1,40%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    38.001,31
    -244,55 (-0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    38,82
    -0,75 (-1,90%)
     
  • OURO

    1.907,70
    -4,20 (-0,22%)
     
  • BTC-USD

    13.635,45
    +13.635,45 (+0,00%)
     
  • CMC Crypto 200

    270,32
    +9,03 (+3,46%)
     
  • S&P500

    3.390,68
    -10,29 (-0,30%)
     
  • DOW JONES

    27.463,19
    -222,19 (-0,80%)
     
  • FTSE

    5.728,99
    -63,02 (-1,09%)
     
  • HANG SENG

    24.787,19
    -131,59 (-0,53%)
     
  • NIKKEI

    23.485,80
    -8,54 (-0,04%)
     
  • NASDAQ

    11.535,25
    -52,75 (-0,46%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7181
    +0,0776 (+1,17%)
     

Líquido cérebro-espinhal de paciente vaza durante exame de COVID-19; entenda

Fidel Forato
·3 minutos de leitura

Na pandemia da COVID-19, uma das maneiras mais eficientes de controlar a disseminação do novo coronavírus (SARS-CoV-2) é a testagem em massa dos suspeitos. Caso seja confirmada a infecção, o paciente deve ficar em observação e de quarentena. Em geral, esses exames são simples, mas pela primeira vez, na curta história desse vírus, um swab nasal (assim chamado o cotonete de haste longa usado no procedimento de RT-PCR) supostamente fez vazar um líquido que é, normalmente, encontrado em volta do córtex cerebral e da medula espinhal.

Será que o profissional responsável por fazer a coleta, em Iowa, nos Estados Unidos, tenha passado dos limites da cavidade nasofaríngea da paciente? Provavelmente, não. Segundo o relato dos médicos que descobriram o incidente, tudo estava relacionado a uma condição rara pré-existente na mulher.

Nos Estados Unidos, paciente com síndrome rara tem complicação em exame da COVID-19 (Imagem: Reprodução/ Ewa Urban/ Pixabay )
Nos Estados Unidos, paciente com síndrome rara tem complicação em exame da COVID-19 (Imagem: Reprodução/ Ewa Urban/ Pixabay )

Isso porque a paciente apresenta encefalocele — um defeito congênito raro que faz com que os ossos do crânio não se fundam normalmente e deixem cavidades — que afeta apenas um em cada 10 mil recém-nascidos, anualmente, nos EUA. No caso específico da paciente, a malformação estava próxima de sua cavidade nasal. O caso completo foi publicado nesta quinta-feira (1) na revista científica JAMA Otolaryngology – Head & Neck Surgery.

Acidente ou anomalia anatômica?

Segundo os médicos, a paciente estava com nariz escorrendo, rigidez do pescoço, dor de cabeça, fotofobia e um gosto estranho de metal na boca. Após avaliarem sua condição, perceberam algumas alterações que precisavam ser melhor investigadas — inclusive encontraram o líquido cefalorraquidiano (LCR), aquele que supostamente vazou na hora do exame — em amostras.

Questionada sobre sua situação, a mulher comentou ter feito, recentemente, exame para a COVID-19, como uma precaução antes de sua cirurgia. Logo depois do exame para coronavírus, começou a sentir coriza e dor de cabeça, além de uma crise de vômitos.

Para completar o caso, os médicos realizaram exames de imagem da paciente. De acordo com o relato, "a tomografia computadorizada (TC) e a ressonância magnética (RM) identificaram uma encefalocele de 1,8 cm", ou seja, ela tinha um tipo de abertura no crânio. “Portanto, teorizamos que o próprio swab não resultou em uma violação da base óssea do crânio, mas sim que o teste invasivo causou trauma à encefalocele pré-existente da paciente”, explicam os autores.

Paciente norte-americana teve problemas com exame da COVID-19 (Imagem: Reprodução/ Sullivan/ JAMA Otolaryngology – Head & Neck Surgery)
Paciente norte-americana teve problemas com exame da COVID-19 (Imagem: Reprodução/ Sullivan/ JAMA Otolaryngology – Head & Neck Surgery)

Em 2017, a paciente tinha feito uma outra tomografia computadorizada do seu cérebro. Embora o exame revelasse a discreta condição rara, o defeito congênito não foi notado — até que um teste com o cotonete para detectar COVID, provavelmente, tenha rompido uma fina membrana e feito com que o líquido vazasse.

Mais opções de exames para COVID-19

Em outras palavras, o caso foi um infeliz incidente e que também envolveu o desconhecimento de uma condição pré-existente. Atualmente, a paciente se recupera no hospital onde foi avaliada e feita a correção da abertura. Entretanto, as chances do caso — que foi o primeiro — se repetir são incrivelmente raras. Afinal, foi a primeira situação relatada em mais de 10 meses desde a chegada do coronavírus.

Por outro lado, já existem, atualmente, outros tipos de testes para a COVID-19 e que gradualmente começam a alcançar mais pessoas para a testagem da infecção, além do uso do swab nasal. Outra opção são os testes rápidos, conhecidos como sorológicos, que utilizam o sangue para verificar a presença de anticorpos. Há inclusive uma inciativa da USP, no Brasil, de um teste que pode detectar o coronavírus a partir de amostras de saliva.

O relato completo do caso, publicado no JAMA, pode ser acessado aqui.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: