Mercado abrirá em 5 h 30 min
  • BOVESPA

    108.402,27
    +1.930,27 (+1,81%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.354,86
    +631,46 (+1,35%)
     
  • PETROLEO CRU

    89,98
    -0,78 (-0,86%)
     
  • OURO

    1.801,10
    -4,10 (-0,23%)
     
  • BTC-USD

    23.846,21
    +92,71 (+0,39%)
     
  • CMC Crypto 200

    557,45
    +14,57 (+2,68%)
     
  • S&P500

    4.140,06
    -5,13 (-0,12%)
     
  • DOW JONES

    32.832,54
    +29,04 (+0,09%)
     
  • FTSE

    7.481,69
    -0,68 (-0,01%)
     
  • HANG SENG

    20.029,68
    -16,09 (-0,08%)
     
  • NIKKEI

    27.999,96
    -249,28 (-0,88%)
     
  • NASDAQ

    13.194,00
    +10,75 (+0,08%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2164
    +0,0070 (+0,13%)
     

Líderes do Mercosul se reúnem em cúpula fragmentada no Paraguai

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
*Arquivo* BRASÍLIA, DF, 26.04.2022 - O presidente Jair Bolsonaro. (Foto: Antonio Molina/Folhapress)
*Arquivo* BRASÍLIA, DF, 26.04.2022 - O presidente Jair Bolsonaro. (Foto: Antonio Molina/Folhapress)

BUENOS AIRES, ARGENTINA (FOLHAPRESS) - A primeira reunião presencial de chefes de Estado do Mercosul desde a pandemia ocorre nesta quinta-feira (21), em Assunção, no Paraguai, num ambiente anticlimático.

O presidente Jair Bolsonaro (PL) afirmou no domingo que deve fazer um "bate e volta". O da Argentina, Alberto Fernández, viaja com a cabeça pesada por conta da crise política e econômica em seu país, com inflação anual em 64% e manifestações intensas nas ruas. O do Paraguai, Mario Abdo Benítez, também vive situação interna complicada, com a divisão do partido Colorado em abril do ano que vem.

Quem promete bagunçar o coreto é o uruguaio Luis Lacalle Pou, que deve apresentar aos pares um balanço das negociações com a China para um tratado de comércio entre os dois países.

A decisão de negociar por fora do bloco confronta a resolução número 32 do estatuto do Mercosul, que proíbe que membros do bloco façam acordos econômicos com outros países sem a aprovação dos demais.

Lacalle Pou afirma que há uma brecha no estatuto que permite isso e que não deseja sair do Mercosul. Quem tem mais resistência com relação ao movimento uruguaio é a Argentina. Em uma ocasião anterior, ao tratar do mesmo acordo, Fernández afirmou que, se Lacalle Pou queria fazer as coisas sozinho, que era melhor que "abandonasse o barco", sugerindo que saísse do bloco.

O presidente uruguaio confirmou na semana passada, em uma coletiva, que havia terminado a chamada fase de estudos, que antecede a negociação do tratado de livre comércio, e que agora faltava começar a negociação dos termos.

"Estamos convencidos de que o direito internacional e os tratados assinados por nosso país nos permitem estabelecer todo tipo de acordos com distintas nações", disse Lacalle Pou na ocasião. Acrescentou, ainda, que o Uruguai tem uma "vocação de abertura que não se contradiz com sua participação no bloco".

Já o chanceler argentino, Santiago Cafiero, afirmou que "qualquer tipo de tratado dessas características, segundo a construção histórica do Mercosul, que é o Tratado de Assunção, tem de ter o consenso de todas as partes".

"Com a união aduaneira temos todo o mercado bem articulado entre produtores de alimentos e manufaturas. O que precisamos é que deve haver consenso para qualquer acordo que ocorra fora do Mercosul", disse.

Lacalle Pou sofre, ainda, com resistência interna em seu país com relação ao acordo com a China. A oposição e câmaras de comércio locais têm se posicionado contra.

O ex-ministro da economia e ex-presidente da coalizão de centro-esquerda Frente Ampla, Danilo Astori, afirmou que "com a situação que vivemos, não seria possível fazer um acordo de comércio com a China sem romper com o Mercosul, o que se mostra uma atitude muito voluntarista por parte do presidente, mas que pode ter um custo alto", disse. "Uma ruptura com o Mercosul é o pior que o Uruguai pode fazer agora em termos de inserção comercial."

Para o Paraguai, o tema é incômodo porque o país não tem relações com a China continental e é o único país da região que reconhece Taiwan como Estado. "Nós sempre vamos defender os interesses do Paraguai, e Taiwan é um país aliado", afirmou o chanceler paraguaio, Jose Arriola.

Em uma entrevista a jornalistas no início da semana, Arriola afirmou que a reunião terá dois comunicados, um dos membros do bloco mais a Bolívia, e outro com os países associados.

O boliviano Luis Arce confirmou presença, mas o chileno Gabriel Boric será representado por sua chanceler, Antonia Urrejola. A Colômbia estará presente por meio de sua vice-presidente e chanceler, Marta Lucía Ramírez.

Abdo Benítez havia proposto aos países-membros que recebessem uma chamada, ao vivo, do presidente ucraniano, Volodímir Zelenski. A participação de Zelenski, porém, ainda não foi confirmada porque, segundo a chancelaria paraguaia, "ainda não há consenso entre os países-membros sobre a conveniência do encontro", afirma a chancelaria paraguaia.

Nesta quarta, o Mercosul anunciou, ao menos, um avanço: a conclusão das negociações do acordo de livre comércio entre o bloco e Singapura.

O acordo envolve temas tarifários e regulatórios, como serviços, investimentos, compras governamentais, propriedade intelectual e defesa comercial, além de prever compromissos em serviços financeiros e movimento de pessoas.

De acordo com a nota do governo brasileiro, a assinatura pode gerar incremento de R$ 28,1 bilhões no PIB (Produto Interno Bruto) do país entre 2022 e 2041. Para o mesmo período, a pasta estima aumento de R$ 11,1 bilhões em investimentos, R$ 21,2 bilhões em exportações brasileiras para a nação asiática e R$ 27,9 bilhões nas importações.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos