Mercado fechado
  • BOVESPA

    93.952,40
    -2.629,76 (-2,72%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    36.987,86
    +186,49 (+0,51%)
     
  • PETROLEO CRU

    35,72
    -0,45 (-1,24%)
     
  • OURO

    1.878,80
    +10,80 (+0,58%)
     
  • BTC-USD

    13.630,76
    +83,77 (+0,62%)
     
  • CMC Crypto 200

    265,42
    +1,78 (+0,68%)
     
  • S&P500

    3.269,96
    -40,15 (-1,21%)
     
  • DOW JONES

    26.501,60
    -157,51 (-0,59%)
     
  • FTSE

    5.577,27
    -4,48 (-0,08%)
     
  • HANG SENG

    24.107,42
    -479,18 (-1,95%)
     
  • NIKKEI

    22.977,13
    -354,81 (-1,52%)
     
  • NASDAQ

    11.089,00
    -253,75 (-2,24%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6872
    -0,0584 (-0,87%)
     

Líder de extrema direita holandesa é condenado por insultar marroquinos

·2 minutos de leitura
(Arquivo) O líder da extrema-direita, Geert Wilders
(Arquivo) O líder da extrema-direita, Geert Wilders

O líder holandês da extrema direita Geert Wilders foi condenado em seu país nesta sexta-feira (4) após recurso por ter insultado coletivamente o povo marroquino, uma sentença que ele chamou de "processo político" em uma "república das bananas". 

O tribunal não pronunciou nenhuma penalidade contra Wilders. 

Os eventos remontam a 2014, durante um comício em Haia. O líder da extrema direita perguntou aos seus apoiadores se eles queriam "mais ou menos marroquinos" no país. A resposta foi: "menos, menos!". 

"O tribunal considera que está provado que Wilders é culpado pelo insulto massivo em 19 de março de 2014. O tribunal não pronunciará qualquer penalidade contra ele por isso", declarou o juiz J.M. Rienking. 

Segundo o tribunal, a ausência de punição se deve ao fato de que Wilders já ter sido colocado sob proteção policial por causa das múltiplas declarações contra os muçulmanos e o islã, pelas quais recebeu ameaças de morte. 

Em sua defesa, Wilders reafirmou sua liberdade de expressão, mas o tribunal respondeu que "o direito à liberdade de expressão, especialmente de um líder político, não impede uma condenação neste caso". 

O seu grupo político, o Partido da Liberdade (PVV), é o segundo no Parlamento, depois da formação liberal VVD do primeiro-ministro Mark Rutte. As próximas eleições legislativas estão agendadas para 2021. 

Após o veredicto, Wilders declarou-se disposto a levar o caso ao Supremo Tribunal Federal. 

"A Holanda se tornou um país corrupto", afirmou ele à imprensa diante do tribunal, novamente criticando os "marroquinos que devastam nossas cidades e subúrbios". 

Antes dessa sentença após o julgamento do recurso, Wilders escreveu no Twitter que o veredicto decidiria se a Holanda "se tornou uma república das bananas na qual o líder da oposição é condenado em um julgamento político".

cvo-dk/spm/mc/lb/me/mis/bn