Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.348,80
    -3.131,73 (-2,54%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.892,28
    -178,63 (-0,39%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,04
    -1,53 (-2,86%)
     
  • OURO

    1.827,70
    -23,70 (-1,28%)
     
  • BTC-USD

    36.538,07
    -688,40 (-1,85%)
     
  • CMC Crypto 200

    701,93
    -33,21 (-4,52%)
     
  • S&P500

    3.768,25
    -27,29 (-0,72%)
     
  • DOW JONES

    30.814,26
    -177,26 (-0,57%)
     
  • FTSE

    6.735,71
    -66,25 (-0,97%)
     
  • HANG SENG

    28.573,86
    +77,00 (+0,27%)
     
  • NIKKEI

    28.519,18
    -179,08 (-0,62%)
     
  • NASDAQ

    12.759,00
    -142,00 (-1,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3926
    +0,0791 (+1,25%)
     

Líder de Belarus diz que sairá quando uma nova Constituição for adotada

·1 minuto de leitura

MOSCOU (Reuters) - O líder de Belarus, Alexander Lukashenko, disse nesta sexta-feira que deixará o posto assim que uma nova Constituição for adotada e propôs reduzir os poderes presidenciais como parte das reformas, sem estabelecer, no entanto, um cronograma para tais medidas.

Lukashenko, que enfrenta protestos em massa por sua renúncia desde a eleição presidencial de 9 de agosto, fez o comentário um dia após conselho do ministro russo das Relações Exteriores que siga com as reformas constitucionais para desarmar a crise.

"Não trabalharei como presidente com vocês sob uma nova Constituição", disse Lukashenko, segundo a agência de notícias Belta.

Ele disse que a Constituição atual precisa ser reformulada porque há muito poder concentrado nas mãos do presidente e que haveria "problema" se ele entregasse as rédeas agora.

A fala do líder ocorreu em um hospital para pessoas acometidas pelo coronavírus, onde conversou com pacientes usando uma máscara branca e traje anticontaminação, mas sem luvas.

Aliada crucial, a Rússia apoiou publicamente a intenção declarada de Lukashenko de reformar a Constituição, mas nenhuma proposta se materializou, e o impasse político entre o líder e seus oponentes se arrasta.

Manifestantes minimizaram as promessas de reforma por vê-las como uma tática de procrastinação.

O chanceler russo, Sergei Lavrov, aconselhou Lukashenko na quinta-feira a honrar a promessa de realizar reformas, assim como outros acordos não especificados com o presidente da Rússia, Vladimir Putin, em uma cúpula em setembro.

As ações de Lukashenko têm sido observadas atentamente em busca de pistas do que Moscou, cujo apoio político é vital para se manter no poder, o induz a fazer.

(Por Polina Devitt; reportagem adicional de Alexander Marrow)