Mercado fechado
  • BOVESPA

    95.368,76
    -4.236,78 (-4,25%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    37.393,71
    -607,60 (-1,60%)
     
  • PETROLEO CRU

    37,66
    +0,27 (+0,72%)
     
  • OURO

    1.878,00
    -1,20 (-0,06%)
     
  • BTC-USD

    13.245,98
    -27,66 (-0,21%)
     
  • CMC Crypto 200

    261,84
    -10,85 (-3,98%)
     
  • S&P500

    3.271,03
    -119,65 (-3,53%)
     
  • DOW JONES

    26.519,95
    -943,25 (-3,43%)
     
  • FTSE

    5.582,80
    -146,19 (-2,55%)
     
  • HANG SENG

    24.708,80
    0,00 (0,00%)
     
  • NIKKEI

    23.238,34
    -180,17 (-0,77%)
     
  • NASDAQ

    11.220,25
    +87,50 (+0,79%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7384
    +0,0040 (+0,06%)
     

Líbano mantém tradicional produção de vinho em meio a desastres

Elin McCoy
·3 minutos de leitura

(Bloomberg) -- Grandes explosões abalaram o enorme porto de Beirute no mês passado, matando mais de 200 pessoas. Os proprietários da vinícola Château Marsyas foram feridos em seu escritório comercial a apenas 600 metros de distância e rastejaram entre os escombros das paredes e tetos caídos para escapar. Duas semanas depois, eles estavam colhendo uvas em seus vinhedos no Vale Bekaa, no Líbano.

Esse é o tipo de resiliência que os produtores de vinho têm neste pequeno país na costa oriental do Mediterrâneo, espremido entre Israel e a Síria.

A explosão foi a última catástrofe em um ano de vários desastres: agitação social, crise política, colapso econômico e lockdowns. O valor da libra libanesa despencou 80%.

Por causa da desvalorização da moeda, explica Marc Hochar, cuja família é dona da propriedade mais famosa do país, o Château Musar, as vinícolas não podem aumentar os preços locais o suficiente para cobrir os preços mais elevados que agora devem pagar para importar garrafas, rótulos, rolhas, tratores e muito mais - e eles não podem tirar dinheiro dos bancos.

“As exportações”, disse Elie Maamari, do Château Ksara, durante uma degustação no Zoom, “são a nossa salvação”.

Será que esses desastres, os mais recentes na história de vinificação do país, atrairão a atenção do mundo e se traduzirão nas vendas de seus tintos, brancos e rosés?

Acredito que sim.

Depois de experimentar quase 50 deles, estou pronto para dizer por que você pode se tornar um fã. Alguns são melhores do que outros, mas todos valem a pena beber, e a maioria são pechinchas. Infelizmente, mesmo os melhores nem sempre são fáceis de encontrar.

Aqui está o que você precisa saber.

Tintos ricos, picantes e sensuais são o alicerce do país. Eles são combinações de uvas francesas conhecidas, como syrah, cabernet sauvignon, mourvedre, carignan e cinsault. O enólogo em ascensão Faouzi Issa, do Domaine des Tourelles, engarrafa o cinsault solo e o chama de “pinot noir do Líbano”.

Rosés deliciosos exibem aromas florais inebriantes. Entre os brancos mais empolgantes estão o viognier de textura exuberante e as variedades nativas obeideh e merwah.

Desde meados dos anos 2000, jovens enólogos talentosos e vinícolas boutique estimularam a experimentação e uma vibrante cena vinícola. Há cerca de cinco décadas, o número de marcas cresceu para mais de 50.

Depois de uma carreira financeira em Londres, Naji Boutros voltou para casa para fundar o Château Belle-Vue, cujos vinhos orgânicos estão em listas com estrelas Michelin.

Uma das mais novas, a vinícola Sept, oferece almoços e degustações em um jardim com vistas fabulosas.

O histórico Château Kefraya começou a envelhecer vinhos em ânforas, uma técnica que remonta aos primeiros tempos de vinificação do país.

Você pode ver a influência francesa na escolha das variedades de uva, plantadas pela primeira vez por missionários do século 19 no Vale do Bekaa. Muitas propriedades têm parceiros franceses ou consultores de vinificação. Ixsir colabora com Hubert de Bouard do Château Angelus para criar vinhos no distrito montanhoso de Batroun perto da costa. O objetivo mais recente é criar vinhos que sejam mais distintamente libaneses.

Fazer vinho nesta zona repleta de conflitos nunca foi fácil. Todo mundo tem histórias assustadoras de guerra e sobrevivência, incluindo a colheita enquanto as bombas caíam.

A lendária figura Serge Hochar, do Château Musar, que morreu em 2014, fabricou vinho durante os 15 anos de guerra civil do país. Hoje, o conflito na Síria se aproxima: cerca de 1 milhão de refugiados vivem em campos na estrada de Beirute ao histórico Domaine des Tourelles.

Mas os produtores de vinho estão ansiosos para ir além de tudo isso. Eles desejam que seus vinhos falem a linguagem da esperança e do futuro.

Sami Ghosn de Massaya disse que o futuro dos vinhos libaneses nunca foi tão brilhante. “Temos a missão de continuar a produzí-los e a espalhar a mensagem de civilidade, tolerância e identidade de nossas costas mediterrâneas para o mundo.”

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2020 Bloomberg L.P.