Mercado fechado
  • BOVESPA

    102.224,26
    -3.586,99 (-3,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.492,52
    -1.132,48 (-2,24%)
     
  • PETROLEO CRU

    68,15
    -10,24 (-13,06%)
     
  • OURO

    1.788,10
    +1,20 (+0,07%)
     
  • BTC-USD

    54.177,00
    -922,52 (-1,67%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.365,60
    -89,82 (-6,17%)
     
  • S&P500

    4.594,62
    -106,84 (-2,27%)
     
  • DOW JONES

    34.899,34
    -905,04 (-2,53%)
     
  • FTSE

    7.044,03
    -266,34 (-3,64%)
     
  • HANG SENG

    24.080,52
    -659,64 (-2,67%)
     
  • NIKKEI

    28.751,62
    -747,66 (-2,53%)
     
  • NASDAQ

    16.051,00
    -315,00 (-1,92%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3485
    +0,1103 (+1,77%)
     

Kwai | Como o app chinês quer ser o pioneiro do live commerce no Brasil

·3 min de leitura

A rede social de vídeos curtos Kwai começou no Brasil seus primeiros experimentos com um formato comum na China: o live e-commerce. Nos últimos meses, a plataforma fez alguns testes nos últimos meses com marcas como a pulseira fitness AmazFit, da Xiaomi, e com a varejista Casas Bahia. O objetivo é tentar sair na frente como a referência deste setor no nosso país.

O novo formato une transmissão em vídeo ao vivo, interatividade e compras online em um mesmo ambiente. Na prática, vendedores apresentam os produtos ao vivo e o cliente pode comprá-los durante a live. Em outro exemplo recente do movimento no Brasil, o apresentador Otaviano Costa se juntou à agência Bullet e à RocketBank e criou a Pode Live Shop, empresa que vai funcionar como um shopping center virtual com lives das mais variadas empresas.

A ferramenta une a praticidade das compras online com a possibilidade de tirar dúvidas sobre os produtos, uma das principais vantagens do comércio físico. Além disso, o mês de novembro traz mais ofertas por conta da Black Friday, e o formato ajuda o consumidor a consolidar sua decisão de compra.

O público do Kwai pode comprar um produto sem ser direcionado a outro ambiente. Ao clicar no ícone do carrinho de compras na parte inferior da tela da live, é possível visualizar o portfólio de produtos com os respectivos preços e descontos, se cadastrar e realizar a compra no canal da empresa, sem sair da transmissão.

Paulo Fernandes, diretor de vendas do Kwai nas Américas (Imagem: Divulgação/Kwai)
Paulo Fernandes, diretor de vendas do Kwai nas Américas (Imagem: Divulgação/Kwai)

Por enquanto, a função de live e-commerce no Kwai está disponível apenas para empresas parceiras do app no país. Não há um tempo padrão de duração: pode variar de 30 minutos a uma hora e meia, dependendo do engajamento das pessoas que estão assistindo à live e dos objetivos do lojista.

Paulo Fernandes, diretor de vendas do Kwai nas Américas, diz ao Canaltech que o Brasil é um dos mercados prioritários para a empresa. Por isso virou o primeiro país fora da China a trazer a novidade. A Kuaishou, empresa desenvolvedora do Kwai, é hoje uma das maiores plataformas de live e-commerce do mundo, com um volume bruto de transações de cerca de US$ 50 bilhões (R$ 282 bilhões) em 2020.

"Esta é uma prática que tem uma longa história de sucesso na China e se tornou comum nos últimos anos no país asiático. Sabemos que temos um caminho promissor para percorrer por aqui. Estamos em plena expansão e desejamos estar cada vez mais próximo das pessoas e fazer parte do seu dia a dia, inserindo o app na cultura do país", diz Fernandes.

No Brasil, segundo dados da ComScore, o Kwai tem hoje uma audiência bastante diversificada com 45,4 milhões de usuários ativos na média mensal. Mas a empresa não compartilha dados de público dos primeiros testes: segundo Fernandes, estes estão de posse das lojas.

Para o executivo, o formato pode pegar por aqui porque o live e-commerce guarda algumas semelhanças com as tradicionais transmissões de comércio ao vivo na TV. "A grande diferença está na interação – que é muito maior e contínua – e na compra, que pode ser finalizada em um único local sem precisar sair da transmissão", compara.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos