Mercado fechado
  • BOVESPA

    113.282,67
    -781,69 (-0,69%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.105,71
    -358,56 (-0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,95
    +0,65 (+0,89%)
     
  • OURO

    1.750,60
    +0,80 (+0,05%)
     
  • BTC-USD

    42.782,63
    -2.087,75 (-4,65%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.067,20
    -35,86 (-3,25%)
     
  • S&P500

    4.455,48
    +6,50 (+0,15%)
     
  • DOW JONES

    34.798,00
    +33,18 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.051,48
    -26,87 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    24.192,16
    -318,82 (-1,30%)
     
  • NIKKEI

    30.248,81
    +609,41 (+2,06%)
     
  • NASDAQ

    15.319,00
    +15,50 (+0,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2556
    +0,0306 (+0,49%)
     

Kuroda mostra otimismo sobre Japão apesar de problemas em cadeias de oferta

·1 minuto de leitura
O presidente do Banco do Japão, Haruhiko Kuroda, fala em coletiva de imprensa em Tóquio, Japão

Por Leika Kihara

TÓQUIO (Reuters) - O presidente do banco central do Japão, Haruhiko Kuroda, disse nesta quarta-feira que lucros robustos ajudarão as empresas a aumentar gastos de capital, apesar do impacto na produção devido a interrupções na cadeia de suprimentos causadas pelo fechamento de fábricas no Sudeste Asiático.

Embora o consumo permaneça estagnado por causa do impacto da pandemia do coronavírus, a terceira maior economia do mundo está em tendência de crescimento, à medida que a firme retomada no exterior sustenta as exportações, disse Kuroda.

"A economia do Japão se recuperará conforme o impacto da Covid-19 diminui devido ao maior progresso nas vacinações", disse Kuroda em um seminário online, acrescentando que um ciclo virtuoso na economia se intensificará enquanto o consumo se recupera das cicatrizes da pandemia.

Kuroda afirmou que, embora as pressões inflacionárias tenham sido mais fracas no Japão do que nos Estados Unidos e na Europa, as empresas não estão recorrendo a cortes de preços para atrair a demanda de forma tão ampla como durante o período de deflação japonesa de duas décadas no Japão no fim dos anos 1990.

Ainda assim, a inflação ao consumidor ficará bem abaixo de 2% em 2023, em torno de "1% ou levemente mais de 1%", em parte devido a fatores temporários, como cortes nas tarifas de telefonia, disse Kuroda.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos