Mercado fechará em 3 h 23 min
  • BOVESPA

    100.785,98
    +2.067,00 (+2,09%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.684,42
    -37,87 (-0,08%)
     
  • PETROLEO CRU

    103,92
    +5,39 (+5,47%)
     
  • OURO

    1.739,80
    +3,30 (+0,19%)
     
  • BTC-USD

    20.927,46
    +760,60 (+3,77%)
     
  • CMC Crypto 200

    456,64
    +12,32 (+2,77%)
     
  • S&P500

    3.894,68
    +49,60 (+1,29%)
     
  • DOW JONES

    31.336,09
    +298,41 (+0,96%)
     
  • FTSE

    7.189,08
    +81,31 (+1,14%)
     
  • HANG SENG

    21.643,58
    +56,92 (+0,26%)
     
  • NIKKEI

    26.490,53
    +382,88 (+1,47%)
     
  • NASDAQ

    12.087,25
    +207,00 (+1,74%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4218
    -0,1073 (-1,94%)
     

Kuroda diz que a inflação global crescente está entre desafios para BCs

Presidente do banco central do Japão, Haruhiko Kuroda

Por Leika Kihara

TÓQUIO (Reuters) - O presidente do banco central do Japão, Haruhiko Kuroda, disse nesta quarta-feira que um "salto global" da inflação está entre os principais desafios para os bancos centrais, o que provavelmente levará a diferentes respostas de política monetária de país para país.

O atual aumento da inflação é impulsionado tanto por restrições de oferta quanto por uma forte recuperação da demanda observada em alguns países após a crise induzida pela pandemia, disse Kuroda.

No Japão, a demanda reprimida das famílias e o crescimento dos salários foram modestos em comparação com os Estados Unidos e países europeus, disse ele.

"Dadas essas diferenças nos efeitos de oferta e demanda, a resposta apropriada da política monetária também será diferente entre os países", disse Kuroda em discurso durante seminário acadêmico organizado pelo banco central japonês.

"Um desafio comum para cada país é determinar a magnitude e a persistência da pressão inflacionária."

Outro desafio enfrentado pelos bancos centrais é o aumento do risco geopolítico desencadeado pela invasão russa da Ucrânia, que elevou os preços das commodities e levou a uma inflação mais alta em todo o mundo, disse Kuroda.

As mudanças estruturais trazidas pela pandemia, como a reorganização das cadeias de suprimentos e o aumento da desigualdade de renda, também podem afetar a taxa de crescimento potencial de uma economia e “ter implicações na eficácia da política monetária e nas respostas apropriadas”, disse Kuroda.

"Os bancos centrais devem, portanto, prestar muita atenção às mudanças na estrutura econômica e seu potencial impacto nos preços e na economia real", acrescentou.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos