Mercado fechado
  • BOVESPA

    106.296,18
    -1.438,83 (-1,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.889,66
    -130,39 (-0,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    83,98
    +1,48 (+1,79%)
     
  • OURO

    1.793,10
    +11,20 (+0,63%)
     
  • BTC-USD

    60.108,81
    -3.122,20 (-4,94%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.453,34
    -49,69 (-3,31%)
     
  • S&P500

    4.544,90
    -4,88 (-0,11%)
     
  • DOW JONES

    35.677,02
    +73,94 (+0,21%)
     
  • FTSE

    7.204,55
    +14,25 (+0,20%)
     
  • HANG SENG

    26.126,93
    +109,40 (+0,42%)
     
  • NIKKEI

    28.804,85
    +96,27 (+0,34%)
     
  • NASDAQ

    15.324,00
    -154,75 (-1,00%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5808
    -0,0002 (-0,00%)
     

Kremlin diz que ampliação da Otan na Ucrânia é "linha vermelha" para Putin

·1 minuto de leitura
Presidente russo, Vladimir Putin

MOSCOU (Reuters) - O Kremlin alertou nesta segunda-feira que qualquer ampliação da infraestrutura militar da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) na Ucrânia cruzaria uma das "linhas vermelhas" do presidente Vladimir Putin, e Belarus disse que concordou em agir com Moscou em contraposição à atividade crescente da Otan.

Alexander Lukashenko, presidente bielorrusso que é aliado próximo da Rússia, acusou os Estados Unidos de montarem centros de treinamento na Ucrânia que afirmou equivalerem a bases militares, e disse que debateu o assunto com Putin.

"Está claro que precisamos reagir a isto... concordamos que precisamos adotar algum tipo de medida como reação", disse Lukashenko, segundo citação da agência de notícias RIA.

A Ucrânia iniciou exercícios militares conjuntos com soldados dos EUA e de outros membros da Otan na semana passada, enquanto Rússia e Belarus realizaram manobras de larga escala que alarmaram o Ocidente.

Há tempos a Ucrânia, que não é membro da Otan, busca laços mais estreitos com o Ocidente e seus militares. O país tem relações tensas com a Rússia desde que Moscou anexou a península da Crimeia em 2014 e passou a apoiar separatistas que lutam no leste ucraniano.

A Rússia se opõe com veemência à ideia de a Ucrânia integrar a Otan, e preocupou Kiev e o Ocidente no início deste ano reforçando forças militares perto das fronteiras ucranianas.

Indagado sobre as ações às quais Lukashenko se referia, o Kremlin respondeu: "Estas são ações que garantem a segurança de nossos dois Estados."

(Por Dmitry Antonov e Natalia Zinets)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos