Mercado fechará em 6 h 23 min
  • BOVESPA

    119.646,40
    -989,99 (-0,82%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.125,71
    -369,70 (-0,81%)
     
  • PETROLEO CRU

    53,08
    -0,23 (-0,43%)
     
  • OURO

    1.870,50
    +4,00 (+0,21%)
     
  • BTC-USD

    32.168,64
    -1.333,46 (-3,98%)
     
  • CMC Crypto 200

    639,19
    -61,42 (-8,77%)
     
  • S&P500

    3.851,85
    +52,94 (+1,39%)
     
  • DOW JONES

    31.188,38
    +257,86 (+0,83%)
     
  • FTSE

    6.747,79
    +7,40 (+0,11%)
     
  • HANG SENG

    29.927,76
    -34,71 (-0,12%)
     
  • NIKKEI

    28.756,86
    +233,60 (+0,82%)
     
  • NASDAQ

    13.356,25
    +62,00 (+0,47%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3825
    -0,0255 (-0,40%)
     

Kraft Heinz faz novas baixas contábeis e tem prejuízo de US$ 1,65 bilhão

Raquel Brandão
·2 minuto de leitura

A empesa fez novas baixas contábeis no valor de US$ 2,9 bilhões David Paul Morris/Bloomberg A Kraft Heinz registrou um prejuízo de US$ 1,65 bilhão no segundo trimestre, ante lucro de US$ 449 milhões um ano antes, após a companhia fazer novas baixas contábeis de US$ 2,9 bilhões. A empresa diz que realizou no trimestre seu teste anual de “impairment”, que faz parte da estratégia corporativa e do plano operacional de cinco anos. O teste identificou perdas por redução ao valor recuperável de caixa de aproximadamente US$ 1,8 bilhão em determinadas unidades e de US$ 1,1 bilhão em certos ativos intangíveis. Do lado operacional, a Kraft Heinz registrou avanço de 3,8% na receita total, para US$ 6,65 bilhões. Sob o efeito da covid-19, as vendas orgânicas subiram 7,4%, impulsionadas pelo aumento da demanda de varejo que mais do que compensou as vendas menores ao segmento de serviços de alimentação. O resultado também compensou o impacto negativo de 2,1 pontos percentuais relacionados a desinvestimentos e um impacto desfavorável de 1,5 ponto percentual relacionado à taxa de câmbio. O câmbio foi fator crucial para queda de 0,7% nas vendas do segmento internacional na comparação com o mesmo período do ano anterior, para US$ 1,3 bilhão. O impacto negativo da taxa cambial foi de 6,2 pontos percentuais, anulando o crescimento das vendas líquidas orgânicas de 5,5%. Os preços aumentaram 2,6 pontos percentuais, refletindo a combinação de um nível mais baixo de atividade promocional em relação ao período do ano anterior, ações de preços de transição em mercados selecionados e preços mais altos para compensar os custos inflacionários de insumos no Brasil, diz a empresa. O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) ajustado subiu 12,4%, para US$ 1,8 bilhão, refletindo, segundo a empresa, contribuições positivas de todos os segmentos de negócios, impulsionadas pelo crescimento da receita líquida orgânica que mais do que compensou uma remuneração variável mais alta e um aumento dos investimentos em marketing em comparação ao período comparável do ano anterior.