Mercado abrirá em 5 h 29 min
  • BOVESPA

    108.651,05
    +248,77 (+0,23%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.241,81
    -113,05 (-0,24%)
     
  • PETROLEO CRU

    89,67
    -0,83 (-0,92%)
     
  • OURO

    1.805,70
    -6,60 (-0,36%)
     
  • BTC-USD

    22.967,43
    -869,52 (-3,65%)
     
  • CMC Crypto 200

    533,52
    -23,83 (-4,27%)
     
  • S&P500

    4.122,47
    -17,59 (-0,42%)
     
  • DOW JONES

    32.774,41
    -58,13 (-0,18%)
     
  • FTSE

    7.477,15
    -11,00 (-0,15%)
     
  • HANG SENG

    19.569,25
    -434,19 (-2,17%)
     
  • NIKKEI

    27.819,33
    -180,63 (-0,65%)
     
  • NASDAQ

    13.010,25
    -21,25 (-0,16%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2525
    +0,0198 (+0,38%)
     

Rachado, conselho da Klabin aprova nova fábrica de papelão ondulado em SP

Estoque de celulose

SÃO PAULO (Reuters) - A Klabin anunciou nesta quarta-feira que seu conselho de administração aprovou investimento de até 1,567 bilhão de reais na construção de uma fábrica de papelão ondulado em Piracicaba (SP). O plano, porém, teve objeção de alguns conselheiros da empresa.

A nova instalação terá capacidade para 240 mil toneladas anuais e previsão de início de operações no segundo trimestre de 2024, informou a companhia. A fábrica será equipada com duas onduladeiras e nove impressoras, afirmou a Klabin.

A fábrica vai elevar a capacidade líquida de produção de papelão ondulado da Klabin em 100 mil toneladas por ano, para 1,3 milhão de toneladas anuais.

CRÍTICAS

O plano para a nova fábrica, porém, recebeu críticas de parte dos 14 conselheiros da companhia. Entre os independentes, dois votaram contra, dois se abstiveram pedindo mais debates e uma voto a favor, mas citou "benefício da dúvida", segundo a ata da reunião.

"O projeto isoladamente parece não ser atrativo em termos de retorno financeiro", disse a conselheira Isabella Saboya, que usou a confiança depositada na administração para votar a favor do plano, segundo voto publicado na ata.

Já o conselheiro Camilo Marcantonio, que votou contra o plano, afirmou que o indicador de viabilidade, ou "valor presente líquido" (VPL), do chamado "Projeto Figueira" é "negativo em 20 anos" e que ele tem "baixíssimo retorno mesmo considerando a perpetuidade". Para ele, seria preferível o uso dos recursos para recompra de ações, de acordo com a ata.

O conselheiro Mauro Cunha também votou contra o projeto. Embora tenha elogiando a transparência da empresa em apresentar o plano, para ele "não restou comprovado que o investimento é a melhor utilização para o capital neste momento". O conselheiro também mencionou necessidade da empresa focar em "oportunidades de alocação de capital muito mais atrativas" como forma de motivar a valorização das ações da companhia.

A Klabin não informou qual o retorno esperado com a nova fábrica. Mas a empresa informou que, do investimento previsto, 200 milhões de reais se referem a "impostos recuperáveis".

A empresa deve desembolsar neste ano 270 milhões de reais no projeto. Em 2023, serão mais 750 milhões de reais, além de 550 milhões em 2024, segundo apresentação ao mercado.

A companhia afirmou que o Projeto Figueira "reforça a crença da Klabin no modelo de negócio integrado, diversificado e flexível". A companhia informou ainda que o plano tem impacto imaterial no endividamento e será financiado por caixa próprio.

A Klabin terminou março com caixa de 6,185 bilhões de reais, queda de 2,2 bilhões ante dezembro diante de "gestão da dívida e pela variação negativa do fluxo de caixa livre no período", de acordo com o balanço do período divulgado em maio.

(Por Alberto Alerigi Jr.)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos